MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Migalhas Quentes >
  4. Juiz mantém decisão da Anvisa que cancelou registro de álcool 70º INPM
Fabricação

Juiz mantém decisão da Anvisa que cancelou registro de álcool 70º INPM

Magistrado ressaltou que comercialização do produto somente se deu devido à pandemia da covid-19.

Da Redação

segunda-feira, 4 de dezembro de 2023

Atualizado às 14:04

A Justiça Federal negou o pedido de uma indústria química de Maracajá/SC contra uma decisão da Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que cancelou um registro de álcool etílico 70º INPM, cuja venda para o público em geral foi permitida durante a pandemia de covid-19. A decisão é do juiz Federal Eduardo Didonet Teixeira, da 9ª vara de Florianópolis/SC.

"A finalidade explicitada para a regulação da comercialização de álcool com concentrações superiores a 54° GL (46,3 INPM), isto é, a redução do número de acidentes domésticos, não é desarrazoada", afirmou o juiz. A resolução da Anvisa autorizou o comércio direto de álcool 70º expira em 31/12 e o esgotamento do estoque será possível durante 120 dias. O produto continuará liberado para uso hospitalar ou de assistência à saúde.

 (Imagem: Freepik)

Negado pedido contra decisão da Anvisa que cancelou registro de álcool 70º INPM.(Imagem: Freepik)

"Com efeito, o registro do produto comercializado pela impetrante pode ter validade até 2031, mas as condições nas quais o produto é comercializado, não", observou Teixeira. Para o juiz, "não parece haver direito líquido e certo ao modo de comercializar tal ou qual produto" e deve ser observado o "dever do Estado de regulação sanitária e [o] direito à saúde das pessoas/consumidores que adquiram produtos à base de álcool em estabelecimentos comerciais".

A empresa alegou que a Anvisa passou a exigir um novo registro, mas que o álcool etílico 70º INPM seria mesmo para as categorias de "uso hospitalar", "assistência à saúde" e "limpeza e uso geral", esta última extinta. A diferença estaria apenas na análise bacteriológica e a empresa estaria de acordo com as exigências existentes na data do registro cancelado.

"Não há demonstração clara nos autos de que a empresa tenha atendido às determinações feitas pela Anvisa quando das notificações de irregularidade encontradas", entendeu o juiz, na decisão que havia negado a liminar, em 28/8. "Depois de então, nada de novo veio aos autos que justifique a alteração do posicionamento adotado."

Leia a decisão.

Informações: TRF-4.

Patrocínio

Patrocínio Migalhas