domingo, 11 de abril de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

O desembargador Carlos Stephanini participará de sua última sessão no Pleno do TJ/MS

sexta-feira, 17 de agosto de 2007


Carreira

O desembargador Carlos Stephanini participará de sua última sessão no Pleno do TJ/MS

A decisão de Manoel de Barros de seguir carreira na poesia foi determinante para o início da destacada carreira jurídica do desembargador Carlos Stephanini - que se aposenta do TJ/MS na próxima quarta-feira - como advogado e mais tarde como magistrado. O episódio, ocorrido há 45 anos, foi relatado ontem pelo próprio desembargador, ao receber a visita do presidente da Seccional da OAB/MS, Fábio Trad, que, acompanhado da secretária-geral adjunta Silvia Regina de Mattos Nascimento, da diretora tesoureira Leny Ourives da Silva, e do diretor-geral da ESA, Sérgio Muritiba, recebeu de Stephanini o acervo de obras jurídicas que o magistrado doou para a Escola Superior de Advocacia.

Carlos Stephanini contou que no dia 31 de março de 1964, data em que eclodia o movimento que deu início aos 20 anos de regime militar no país, aconteceu um dos fatos mais marcantes de sua vida. Enfrentando dificuldades e já decidido a deixar Campo Grande, onde chegara dois anos antes logo depois de se formar em Direito pela Universidade Católica de Campinas, Stephanini encontrou o também advogado Manoel Venceslau Leite de Barros - que vem a ser o hoje poeta conhecido nacionalmente como Manoel de Barros -, na Rua 14 de Julho, num local em que todos iam engraxar sapatos.

Depois de ouvir o amigo, Manoel de Barros convidou-lhe para ir até seu escritório, perto da loja do Gaburas (o advogado e comerciante Gabriel Spipe Calarge, recém-falecido), na mesma rua, ao número 571 de então. "Ele afirmou que aquele era dali por diante meu escritório, pois estava determinado a cuidar da fazenda e ter mais tempo para a literatura e me disse - 'Quando você tiver seus livros, sua mesa, seu telefone, você encaminha os meus'."

O resultado desse encontro, todo mundo sabe - como destacou hoje o presidente da OAB/MS Fábio Trad: a advocacia e a magistratura estaduais ganharam um grande representante e a poesia brasileira conquistou um de seus maiores nomes. "Só tenho que agradecer a Deus", afirmou Stephanini, citando o brilhante jurista e político Rui Barbosa que um dia "Sem Deus não há salvação".

Logo quando começou a conquistar sucesso na carreira jurídica, Stephanini devolveu os livros e móveis do antigo escritório ao poeta Manoel de Barros. Uma coisa entretanto, fez questão de guardar e exibe até hoje em seu gabinete no TJ em que encerra neste mês sua carreira de magistrado: um crucifixo de madeira com a imagem de Jesus.

_______________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 17/8/2007 09:05