sexta-feira, 18 de setembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

STJ extingue pedido da Varig para sustar ação de retomada de cinco aviões


Aeronaves

STJ extingue pedido da Varig para sustar ação de retomada de cinco aviões

A Presidência do STJ extinguiu a medida cautelar da Varig Logística S/A que pretendia sustar uma ação de retomada de suas aeronaves de carga. A ação de retomada foi movida pelo Wells Fargo Bank Northwest National Association e tinha como objetivo recuperar cinco aviões Boeing 757/200 cedidos em um contrato de leasing, avaliados em pouco menos de R$ 250 milhões cada um. O banco alegou que, desde novembro de 2007, a empresa não efetuaria os pagamentos dos chamados aluguel básico e aluguel de manutenção.

A defesa da empresa aérea afirmou que os pagamentos já haviam sido restabelecidos mediante depósito judicial e que não foram recebidas as notificações da mora (aviso do atraso de pagamento de dívida). Argumentou ainda que a retomada dos aviões causaria prejuízos sociais e danos irreparáveis à empresa, incapacitando-a de operar e prejudicando severamente o transporte aéreo de cargas no país. Também obrigaria o fechamento de mais de 300 franquias da Varig Logística e a conseqüente extinção de centenas de postos de trabalho. Com essa fundamentação, a defesa pediu que fosse suspensa a reintegração da posse dos aviões até o julgamento definitivo da ação no Tribunal de Justiça de São Paulo.

Em sua decisão, o ministro Francisco Peçanha Martins, vice-presidente do STJ, no exercício da Presidência, aponta que o TJ/SP, em decisão liminar, havia autorizado a retomada dos aviões. Como ainda não houve recurso especial da Varig ao STJ, o Tribunal não teria competência para julgar a medida cautelar e invadiria competência do tribunal paulista.

O ministro Peçanha Martins destacou, ainda, que no caso se aplicariam, por analogia, as Súmulas 634 e 635 do STF. As súmulas determinam que o STF não pode conceder medida cautelar suspensiva em recurso que ainda não foi admitido no tribunal de origem. Com essa fundamentação, a medida cautelar foi julgada extinta.

______________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar