domingo, 1 de agosto de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Por meio de ADIn, PSDB questiona no STF pagamento de Cofins por sociedades profissionais

Por meio de ADIn, PSDB questiona no STF pagamento de Cofins por sociedades profissionais

quinta-feira, 24 de abril de 2008


Recolhimento

Por meio de ADIn, PSDB questiona no STF pagamento de Cofins por sociedades profissionais

Por meio da ADIn 4071 (clique aqui), o PSDB questiona no STF o artigo 56 da Lei n°. 9.430/96 (clique aqui), que determina o recolhimento da Cofins por parte das sociedades civis de prestação de serviços de profissão regulamentada.

O PSDB afirma que a LC 70/91 (clique aqui), que instituiu a Cofins, isentou da contribuição as sociedades civis. Para o partido, tal isenção se explica pelo fato de as sociedades profissionais terem natureza distinta das sociedades mercantis, que devem recolher a Cofins. Por isso, caberia às sociedades civis o mesmo tratamento tributário dado às pessoas físicas - a isenção, uma vez que esse tipo de associação possuiria "caráter meramente acessório".

As pessoas físicas - profissionais liberais, que prestam os mesmos serviços profissionais em caráter autônomo - não pagam a Cofins, "daí a razão pela qual a lei complementar exonerou essas sociedades", pondera o autor da ação.

O partido também sustenta que uma lei complementar não pode ter sua competência "invadida e sobrelevada por uma lei ordinária". Isenção de tributos é norma estrutural e, portanto, matéria de lei complementar, alega o PSDB, lembrando que esse tipo de norma exige quorum qualificado no Congresso para ser aprovada. A matéria, uma vez disciplinada por lei complementar, sustenta a agremiação, não pode ser alterada por lei ordinária, que pode ser aprovada por maioria simples no parlamento.

O PSDB pede a declaração de inconstitucionalidade do artigo 56 da Lei 9.430/96, por violação aos artigos 69, 146 e 154 da Constituição Federal (clique aqui), que dispõe sobre a lei complementar. Alternativamente, se a Corte negar o pedido, o partido requer que as sociedades profissionais somente tenham como obrigatório o pagamento da Cofins após o trânsito em julgado da decisão definitiva do Plenário.

_________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 24/4/2008 10:13