sábado, 4 de dezembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. STF - Advogado de órgão público não pode ser multado sob alegação de ser litigante de má-fé

STF - Advogado de órgão público não pode ser multado sob alegação de ser litigante de má-fé

Por maioria, o Plenário do STF decidiu, nesta quarta-feira, 20/5, que multa pessoal a suposto litigante de má-fé não pode ser imposta a advogado de órgão público - no caso o INSS -, mas apenas ao órgão que ele defende.

quinta-feira, 21 de maio de 2009


Má-fé

Advogado de órgão público não pode ser multado sob alegação de ser litigante de má-fé

Por maioria, o Plenário do STF decidiu, nesta quarta-feira, 20/5, que multa pessoal a suposto litigante de má-fé não pode ser imposta a advogado de órgão público - no caso o INSS -, mas apenas ao órgão que ele defende.

A decisão foi tomada no julgamento das RCLs 5133 e 7181, ambas relatadas pela ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha e julgadas procedentes pela Corte, com voto discordante do ministro Marco Aurélio. A primeira delas, proposta pelo INSS e pelo procurador federal Mateus Gonçalves Louzada, lotado naquele órgão, questionava decisão da juíza federal da 32ª Vara do Juizado Especial Federal Cível de Belo Horizonte, que teria imposto multa pessoal ao procurador.

O instituto e o procurador alegavam que "a aplicação de multa pessoal a advogado público sob o argumento de litigância de má-fé nada mais seria do que um subterfúgio para se desrespeitar o conteúdo essencial da decisão proferida pelo STF na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 2652 (clique aqui), que tratou de multa por descumprimento de determinação judicial."

No julgamento daquela ADI, o Supremo reconheceu ser inviável a aplicação da multa pessoal, prevista no artigo 14, parágrafo único, do CPC (clique aqui), aos advogados privados ou públicos. O dispositivo do CPC trata da aplicação de multa a advogados não filiados à OAB que criarem embaraços à efetivação de decisões judiciais.

A RCL foi proposta em abril de 2007 e, no dia 9 de maio daquele ano, a ministra Cármen Lúcia concedeu liminar, suspendendo o pagamento da multa. Naquela ocasião, assim como em seus votos de hoje, ela se reportou a diversos precedentes do STF sobre o mesmo assunto. Entre eles, relacionou a RCL 5865 (clique aqui), relatada por ela própria; 5941 (clique aqui), relatada pelo ministro Eros Grau; 5746 (clique aqui), relatada pelo ministro Menezes Direito, e 4656 (clique aqui), relatada pelo ministro Joaquim Barbosa.

Na RCL 7181, o INSS questiona decisão semelhante do juiz federal da 16ª Vara Federal da Subseção de Juazeiro do Norte/CE. Também nesta causa, ajuizada em novembro passado, a ministra Cármen Lúcia concedeu liminar suspendendo o pagamento da multa.

  • Processos relacionados :

Rcl 5133 - clique aqui.

Rcl 7181 - clique aqui.

___________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 21/5/2009 07:46