quarta-feira, 17 de agosto de 2022

MIGALHAS QUENTES

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Júri popular

Júri popular

Caro leitor, chegamos ao ponto alto de nossa homenagem aos 100 anos da morte do escritor Euclides da Cunha. Agora você poderá reescrever a história e determinar se Dilermando de Assis é inocente ou culpado pela tragédia de Piedade.

Da Redação

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Atualizado em 15 de fevereiro de 2021 11:48

Júri migalheiro

Assassino de Euclides da Cunha é culpado ou inocente ?

Caro migalheiro, chegamos ao momento decisivo de nossa homenagem aos 100 anos da morte do escritor Euclides da Cunha.

Agora você poderá reescrever a história e determinar se Dilermando de Assis é inocente ou culpado pela "Tragédia de Piedade". Teria ele agido em legítima defesa ? Houve excesso ?

Para que você, leitor, pudesse encontrar respostas às inquietantes perguntas, nas matérias que trouxemos ao longo das últimas duas semanas (v. abaixo) procuramos retratar a trajetória desse genial escritor, destacando aspectos de sua vida pessoal e profissional, inclusive as que foram ligadas ao meio jurídico.

Vimos, no princípio, as relações de amizade de Euclides que certamente influenciaram sua produção intelectual. Vimos a habilidade do escritor não apenas em sua área de formação - engenheiro que era -, como também nas humanidades, com seu olhar geográfico, social e econômico sobre Canudos.

Destacamos também passagens curiosas d'"Os Sertões", que revelam as preocupações de Euclides em retratar traços de pessoas e situações envolvendo vertentes relacionadas à "disciplina da convivência humana" e, por fim, mergulhamos na trágica história que culminou com sua morte.

Nessas últimas matérias fizemos questão de apresentar, como não poderia deixar de ser, o homem Euclides - com toda sua fragilidade, ansiedade e desespero - por trás do brilhante engenheiro e escritor. Isso tudo para poder vislumbrar os angustiantes momentos que antecederam sua ida à Piedade, quando teve a vida ceifada pela bala do revólver de Dilermando de Assis.

Recontado todo o episódio - abrindo ampla defesa para os argumentos do réu Dilermando -, consultado os autos do processo do assassinato do escritor e auxiliado pelo distanciamento histórico que hoje temos dos fatos, Migalhas abre a sessão e o escolhe compulsoriamente para sentar na cadeira de jurado.

Em sua opinião, Dilermando é culpado ou inocente no episódio que levou à morte Euclides da Cunha ?

Como em todo júri, aqui também o voto é secreto e a decisão é soberana.

____________

Adquira !

Patrocínio