Migalhas

Domingo, 23 de fevereiro de 2020

ISSN 1983-392X

Ministro arquiva ação de juiz contra indicação de Toffoli para vaga no STF

quarta-feira, 30 de setembro de 2009


Arquivada

Ministro arquiva ação de juiz contra indicação de Toffoli para vaga no STF

A Petição 4666 ajuizada no STF contra a indicação de José Antônio Dias Toffoli para o cargo de ministro do STF foi arquivada pelo ministro Ricardo Lewandowski, relator do caso.

A ação popular, protocolada como Petição, foi proposta pelo juiz Eduardo Luiz Rocha Cubas. Segundo ele, a Mensagem-SF 185/2009, que submete à consideração do Senado Federal o nome do advogado-geral da União para exercer o cargo de ministro do STF violaria o princípio constitucional da separação dos Poderes, a vedação do exercício de atividade político-partidária aos magistrados e a exigência de notável saber jurídico para o exercício do cargo.

"Ultrapassando os limites do razoável, o Exmo. Sr. Presidente da República indicou ao cargo de ministro do STF um representante absoluto de sua militância político-partidária, como é aí sim notoriamente conhecido o indicado", afirma o juiz. Segundo ele, o indicado seria "um apêndice do Poder Executivo no seio do Poder Judiciário".

Com a sabatina marcada para hoje, no Senado Federal, a ação pedia a concessão de liminar para suspender o trâmite no Senado e para proibir a nomeação pelo Presidente da República e a posse do indicado. No mérito, pedia a declaração de Toffoli como "não portador dos requisitos constitucionais de acesso a cargo de ministro no STF".

Ricardo Lewandowski considerou que, de acordo com a jurisprudência da Corte, não cabe ao STF julgar ações populares, mesmo quando propostas contra atos do Presidente da República, das Casas do Congresso Nacional, de ministros de Estado ou da própria Corte, exceto quando o conflito comprometer o pacto federativo, envolvendo a União e estados-membros, por exemplo. "Não é o caso dos autos", afirmou o relator.

O ministro constatou, ainda, a ausência de uma das condições da ação - a possibilidade jurídica do pedido -, uma vez que pede que o Supremo examine o requisito de notável saber jurídico para indicado ao cargo de ministro da Corte. "Não compete ao STF analisar requisito que, nos termos da Carta Política de 1988, é de atribuição privativa do Presidente da República e do Senado Federal, sob pena de violação ao princípio constitucional da Separação dos Poderes (art. 2º da Constituição - clique aqui)", explicou o ministro.

Quanto à vedação do exercício de atividade político-partidária aos magistrados, estabelecida no artigo 95, parágrafo único, III, da CF, Lewandowski afirmou que aplica-se, tão somente, aos magistrados.

Assim, o ministro julgou extinto o processo, sem a resolução de mérito, e considerou prejudicado o exame da liminar, arquivando o pedido.

Processo Relacionado : Pet 4666 - clique aqui.

_________________
_____________

Fonte : STF

_________
_________________

patrocínio

últimas quentes

-