Migalhas

Terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

ISSN 1983-392X

Pedido de vista interrompe no STF julgamento do inquérito contra Eduardo Azeredo

Após a conclusão do voto do ministro do STF Joaquim Barbosa pelo recebimento da denúncia contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB/MG) no Inq 2280 – caso conhecido como mensalão mineiro –, o julgamento foi suspenso por um pedido de vista do ministro Dias Toffoli.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009


Mensalão mineiro

Pedido de vista interrompe julgamento do inquérito contra Eduardo Azeredo

Após a conclusão do voto do ministro do STF Joaquim Barbosa pelo recebimento da denúncia contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB/MG) no Inq 2280 – caso conhecido como mensalão mineiro –, o julgamento foi suspenso por um pedido de vista do ministro Dias Toffoli.

Primeiro a votar após o relator, o ministro Toffoli frisou que tinha voto pronto sobre o caso, mas que sentia necessidade de analisar melhor uma questão de ordem levantada pelo advogado do parlamentar, José Gerardo Grossi, contestando uma das "provas" mencionadas pelo ministro-relator em seu voto.

A questão de ordem se referiu a um recibo apontado na denúncia, que teria sido assinado pelo senador, no valor de R$ 4,5 milhões, e que, segundo o advogado, seria falso. O defensor revelou, ainda, que Eduardo Azeredo chegou a pedir abertura de inquérito contra a pessoa que apresentou esse recibo considerado falso.

Juízo de valor

O ministro Joaquim Barbosa esclareceu que o recibo mencionado consta da denúncia apresentada pelo Ministério Público, como mais um dos indícios contra o senador, uma vez que o recibo seria demonstração de que foram pagos ao acusado R$ 4,5 milhões, pelas empresas SMP&B e DNA, para saldar compromissos diversos.

"Apenas mencionei o documento, não emiti juízo de valor", pontuou Joaquim Barbosa. E acho que este não é o momento para se confirmar se esse documento é ou não verdadeiro, frisou o relator.

______________

patrocínio

últimas quentes

-