sexta-feira, 14 de agosto de 2020

ISSN 1983-392X

1ª seção do STJ acata pedido de sindicato e suspende impedimento a comercialização de produtos da Eternit

O ministro Hamilton Carvalhido, da 1ª seção do STJ, suspendeu decisão da Justiça fluminense que impedia a comercialização dos produtos derivados de asbesto/amianto no Estado do Rio de Janeiro.


Amianto

1ª seção do STJ acata pedido de sindicato e suspende impedimento a comercialização de produtos da Eternit

O ministro Hamilton Carvalhido, da 1ª seção do STJ, suspendeu decisão da Justiça fluminense que impedia a comercialização dos produtos derivados de asbesto/amianto no Estado do Rio de Janeiro. O ministro deferiu liminar em reclamação apresentada pelo Sindicato das Indústrias de Artefato de Cimento Armado, Ladrilhos Hidráulicos e Produtos de Cimento do Estado do Rio de Janeiro.

Segundo o sindicato, a 20ª Câmara Cível do TJ local, ao julgar agravo de instrumento em ação civil pública ajuizada pelo MP estadual contra a Eternit, impediu em liminar a empresa de comercializar esse tipo de produto.

Essa decisão, argumenta o sindicato, estaria descumprindo acórdão da 1ª turma do STJ que confirmou determinação para o Estado se abster de qualquer ato de execução dos artigos 2º e 6º da Lei Estadual 3.579/01, que fixou normas e procedimentos no ambiente de trabalho com asbesto/amianto. Nessa mesma ocasião, também foi afirmada a incompatibilidade entre todo o artigo 7º dessa norma em face da Lei Federal 9055/95 (clique aqui), por invasão da competência legislativa da União sobre legislação de segurança, higiene e medicina do trabalho.

O sindicato afirma que a determinação da Justiça fluminense resulta em vultosa perda de receita, estimada em R$ 33 milhões por ano, além da evidente perda de espaço no mercado para os concorrentes que comercializam produtos com amianto no território fluminense e não integram o pólo passivo da ação civil pública.

Ao examinar a reclamação, o relator, ministro Hamilton Carvalhido, entendeu que o ato do tribunal do Rio de Janeiro de impedir a comercialização e fabricação de produtos com a utilização de amianto crisotila caracteriza, em princípio, descumprimento do acórdão da 1ª turma. Assim, concedeu liminar como forma de garantir a autoridade da decisão do tribunal. A decisão vale até que o mérito da reclamação seja julgada na seção, para o que ainda não há previsão de data.

_________
___________

Leia mais

  • 3/12/09 - TRT da 2ª região - Juíza trabalhista proíbe transporte de amianto de Goiás pelo Estado de São Paulo - clique aqui.
  • 22/4/09 - Ministro do STF indefere liminar que tentava derrubar a proibição ao amianto - clique aqui.
  • 14/2/09 - PL do Senado propõe prazos para o encerramento das atividades relacionadas com amianto - clique aqui.
  • 13/2/09 - Conar mantém proibição a veiculação de propaganda sobre amianto – clique aqui
  • 30/1/09 - Ministro do Meio Ambiente assina portaria que proíbe uso do amianto em obras e veículos públicos - clique aqui
  • 29/11/08 - Na Câmara, debatedores criticam propostas que proíbem o uso do amianto – clique aqui
  • 1/10/08 - Senador Marconi Perillo defende no STF uso do amianto crisotila - clique aqui
  • 27/7/08 - O Diário Oficial publica a lei n° 12.684, que proíbe o uso no Estado de São Paulo de produtos, materiais ou artefatos que contenham quaisquer tipos de amianto ou asbesto - clique aqui
  • 5/6/08 - STF mantém lei paulista que proíbe uso do amianto no Estado - clique aqui
  • 23/12/07 - Ministro concede liminar e suspende lei paulista que proíbe uso de amianto - clique aqui
  • 21/11/07 - STF suspende por liminar decisão do TJ/SP que permitia utilização do amianto - clique aqui
  • 29/10/07 - Instituto Brasileiro do Crisotila cobra mais ação das Comissões de Fábrica sobre o uso controlado do amianto - clique aqui
  • 22/8/07 - TJ/SP concede liminar contra proibição do uso - clique aqui

__________________

Por: Redação do Migalhas

informativo de hoje

patrocínio

Advertisement

últimas quentes

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram