Quinta-feira, 23 de novembro de 2017

ISSN 1983-392X

A possibilidade de aplicação do CDC em conflito envolvendo condomínio

Kamilla Petrone Pereira

Em recente julgamento, o STJ se posicionou a favor da caracterização da relação de consumo em uma disputa entre um condomínio e uma empresa.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Muito se questiona sobre a possibilidade de aplicação do CDC nos conflitos envolvendo condomínio.

Em recente julgamento, o STJ se posicionou a favor da caracterização da relação de consumo em uma disputa entre um condomínio e uma empresa.

No caso, o condomínio de adquirentes de edifício em construção atuava na defesa dos interesses dos seus condôminos frente à construtora/incorporadora.

Em segunda instância, o nobre desembargador relator havia entendido ser inaplicável a relação de consumo, uma vez que o condomínio não poderia ser considerado destinatário final de produto ou serviço, já que cada um dos condôminos é quem detém a propriedade exclusiva de sua unidade e a parte ideal das áreas comuns (TJ/MG, Agravo de Instrumento 0757697-13.2014.8.13.0000, Relator(a): Des. Alexandre Santiago, Órgão Julgador: 11ª Câmara Cível, data do julgamento: 03/12/2014).

Por sua vez, o STJ se posicionou de forma contrária. O ministro relator do caso, Paulo de Tarso Sanseverino, entendeu que se o condomínio detém legitimidade para defender os interesses comuns dos seus condôminos, justamente por ser constituído da comunhão dos seus interesses, não se poderia restringir a tutela legal colocada à sua disposição pelo ordenamento jurídico. Não haveria cabimento em forçar cada um dos integrantes do condomínio a ingressar em juízo isoladamente para obter a tutela do CDC (STJ, REsp nº 1.560.728/MG, Órgão Julgador: Terceira Turma, data do julgamento: 18/10/2016).

Dessa forma, o conceito de consumidor previsto no CDC deveria ser interpretado de forma ampla, em conformidade com o parágrafo único do artigo 2º, em que o consumidor é equiparado à "coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo".

Em outro caso semelhante, o STJ se posicionou da mesma forma. Tratava-se de ação em que litigavam condomínio e empresa pública prestadora de serviços.

Concluiu-se que o condomínio nada mais era do que o conjunto dos moradores de uma habitação coletiva - proprietários, inquilinos ou outra modalidade de ocupação - como um prédio de apartamentos, cujo destino e orientação era traçada pelos próprios moradores e o condomínio seria o destinatário final do serviço prestado pela empresa pública (STJ, REsp 650.791/RJ, Relator(a): Min. Castro Meira, Órgão Julgador: Segunda Turma, data do julgamento: 06/04/2006).

Com o reconhecimento da relação de consumo, o condomínio consegue atrair para si diversas garantias previstas pelo CDC, entre elas a possibilidade de inversão do ônus do prova.

Como regra geral, em uma eventual lide envolvendo relação de consumo, caberia ao consumidor-autor comprovar os fatos constitutivos do seu direito.

No entanto, como forma de facilitar a defesa do consumidor em juízo, o juiz pode reconhecer a vulnerabilidade do consumidor e inverter o ônus probante.

_____________

*Kamilla Petrone Pereira é advogada do escritório Bella Martinez Advogados.

informativo de hoje

últimos artigos

Lei de crimes hediondos e sua aplicação na justiça militar face à lei 13.491/17

Eduardo Luiz Santos Cabette e Francisco Sannini Neto

Mani Pulite Operação Mãos Limpas - 25 anos depois

Francesco D’Ippolito e Marcelo Figueiredo

Compra segura na Black Friday

Orlando Delgado

Só um jogo

Bruno Salles Pereira Ribeiro

As vantagens da mediação privada

Leandro Rennó e Ana Maria Maia Gonçalves