Quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

ISSN 1983-392X

Advogados condenados - Negligência

de 6/1/2019 a 12/1/2019

"Mesmo que sejam poucas sentenças proferidas como esta, mostra que nem tudo está perdido (Migalhas 4.514 – 7/1/19 – "Advogados condenados - Desídia e negligência" – clique aqui). Parabenizo este nobre juiz por entender que um advogado detém um poder de conhecimento que por inúmeras vezes faz o mal uso do mesmo, agindo de má-fé com seus clientes, leigos que são, não os alertando sobre causas ganhas ou perdendo recursos, ações, por pura incompetência, levando à segunda instância recursal apenas para auferir mais recursos em benefício próprio o que se poderia resolver em primeira, se locupletando de valores por meses nas aplicações das contas Premium, Van Gogh, Personalité. Um bom advogado na minha opinião não é aquele que ganha uma causa, é o que luta por ela até o fim com honestidade!"

Evaldo Oliveira de Araújo - 7/1/2019

"Parabéns! Estou fazendo o mesmo contra os advogados da Defensoria Pública de Joinville/SC, pela péssima, negligente e antiética assistência jurídica e profissional (Migalhas 4.514 – 7/1/19 – "Advogados condenados - Desídia e negligência" – clique aqui)."

Rosa Iara Borges - 7/1/2019

"Estranho o caso (Migalhas 4.514 – 7/1/19 – "Advogados condenados - Desídia e negligência" – clique aqui). Quase sete anos para verificar a situação? E a prescrição? Era só o que faltava. Ter que ter documentos informando o cliente de custas processuais e o risco de extinção do processo. Em sete anos os interessados não foram atrás do advogado? Tomara que essa sentença absurda seja revista no Tribunal. Por isso que eu não tenho nada no meu nome. A gente vive a mercê de perder o patrimônio por qualquer motivo sem razão."

Gilberto Argeri Dias - 8/1/2019

Comente