Terça-feira, 22 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

de 19/5/2019 a 25/5/2019

"Prof. José Maria da Costa, é muito comum vermos o termo 'quinária' para a classificação tríplice das ações/tutelas judiciais, conforme seria adotada desde Pontes de Miranda. Mas há também menção a uma classificação mais singela, dita 'trinária' (condenatória, constitutiva e declaratória). Ocorre que 'trinária' não é encontrada no VOLP. Seria, então, uma classificação 'trina', 'trínia', 'trinitária'?"

José Ogaith - 21/5/2019

"Explicação digna de um 'Mestre' (Gramatigalhas – 19/7/06 – "União Federal ou simplesmente União?")".

Fabrício Passos - 23/5/2019

"Prezado José Maria da Costa, qual é a origem e forma de utilização da expressão 'saudações de estilo', muito utilizada em ofícios entre autoridades públicas? Ex: 'Com minhas SAUDAÇÕES DE ESTILO, visando instruir os autos em epígrafe, solicito a Vossa Excelência notificar(...)'. Não seria o caso de substituir o termo 'saudações de estilo' por uma saudação do estilo do orador propriamente dita? Muito obrigado pelas preciosas contribuições ao longo dos anos dessa coluna fantástica!".

Erick Siqueira - 23/5/2019

"Gostaria de saber se é correto o uso do termo 'eminente' para ocupantes de cargos jurídicos, já que 'vossa eminência' e 'eminentíssimo' é a forma de tratamento para cardeais, e se é correto abreviar com 'e.', por exemplo, 'e. relator', 'e. ministro'."

Anelize Kanda - 24/5/2019

"Nas seguintes frases: 'Pode aceitar a uma parte e renunciar a outra' e 'Pode aceitar a uma parte e renunciar outra'. Qual o papel do artigo 'a'? Como eu consigo identificar a dispensa do artigo nas orações?"

Paulo Machado - 25/5/2019

Comente