Sábado, 14 de dezembro de 2019

ISSN 1983-392X

Custas processuais serão padronizadas pelo CNJ

O CNJ vai estabelecer, até o final do ano, parâmetros para padronizar o valor das chamadas custas processuais no país.

terça-feira, 13 de setembro de 2011


Parâmetros

Custas processuais serão padronizadas pelo CNJ

O CNJ vai estabelecer, até o final do ano, parâmetros para padronizar o valor das chamadas custas processuais no país.

Recente pesquisa realizada pelo Migalhas demonstrou uma dilatada diferença entre custas judiciais arrecadadas pelos Judiciários estaduais. Partindo de uma hipotética ação de cobrança no valor de R$ 100 mil, a pesquisa mostrou que, em 2010, a diferença entre o estado que cobrava as custas mais altas e o estado com custas mais baixas resultava em R$ 6.075,37. Neste ano, a subtração alcança a quantia de R$ 6.785,74 (
clique aqui).

Um estudo feito pelo Conselho, em julho de 2010, também revelou discrepâncias na cobrança dessas despesas nas 27 unidades da federação. "Não é possível o ajuizamento de uma ação variar de R$ 2 mil a R$ 100 mil, dependendo do estado. O alto valor das custas judiciais em determinados estados brasileiros torna letra morta o acesso à Justiça", afirmou o coordenador do grupo de trabalho criado no âmbito da comissão de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas do CNJ para tratar do tema, conselheiro Jefferson Kravchychyn.

O estabelecimento de valores máximos e mínimos das custas foi uma das questões discutidas, durante a última reunião da comissão. No total, o CNJ já promoveu sete reuniões com representantes do Judiciário e segmentos da sociedade para tratar do assunto. Entre as disparidades de valores constatadas pelo estudo do Departamento de Pesquisas Judiciárias do CNJ, está o fato de que, nos estados com menores IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e renda per capita, os custos processuais estão entre os mais altos.

Proposta

A próxima reunião do grupo de trabalho está marcada para o dia 20, na sede do Conselho. A expectativa é de que seja concluído o texto da proposta de alteração legislativa que o grupo pretende enviar aos 27 tribunais para análise. Se aprovado, o projeto será levado ao plenário do CNJ e, posteriormente, ao STF, que deverá incluí-lo no chamado Pacto Republicano.

Formado no âmbito da comissão, o grupo de trabalho que debate o tema é composto por conselheiros e juízes auxiliares do CNJ, magistrados e servidores dos tribunais, bem como representantes da OAB, MP e Defensoria Pública.

Biênio

Segundo o presidente da comissão, conselheiro José Lucio Munhoz, nos próximos dias os integrantes se reúnem para planejar as ações do biênio 2012/2013. "Estamos levantando os pontos de preocupação da comissão, como a otimização de rotinas e a racionalização dos processos judiciais. Também pretendemos incentivar a difusão das boas práticas adotadas pelos tribunais", disse Munhoz.

A Comissão de Eficiência e Gestão é uma das cinco comissões permanentes do CNJ e tem como meta a melhor formação de servidores e a padronização de rotinas administrativas e procedimentais. Integram a comissão os conselheiros José Lúcio Munhoz (presidente), Jefferson Kravchychyn e Gilberto Valente Martins. 

_____________
_______

Leia mais - Notícias

  • 24/8/11 - Pesquisa revela disparidade nos valores das custas judiciais arrecadadas pelos Judiciários estaduais – clique aqui.

__________

 

 

patrocínio

Bradesco VIVO

últimas quentes