Quarta-feira, 22 de maio de 2019

ISSN 1983-392X

Espelho, espelho meu

Empresa que não entregou espelho indenizará por danos morais

Em ação da cliente, empresa não apresentou defesa e juiz julgou antecipadamente a lide.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

O juiz da 2ª vara Cível da comarca de Natal, Paulo Sérgio da Silva Lima, julgou procedente o pedido formulado por uma consumidora e condenou uma empresa que trabalha com vidros a indenizar a autora com R$ 5 mil por danos morais e a restituir a importância de R$ 600, pelos danos materiais suportados.

De acordo com a autora, ela comprou da empresa um espelho pelo valor de R$ 600, entretanto, não recebeu o produto conforme acordado. Ela afirmou que sofreu irritação e transtornos acima do normal em razão de não ter conseguido obter o cumprimento da obrigação, por isso, solicitou a condenação da empresa a pagar o dano material, bem como indenizar pelo dano moral sofrido.

A empresa ré, apesar de citada, não contestou a ação. O magistrado ao verificar a inexistência da defesa, julgou antecipadamente a lide nos termos do art. 330, inciso II, do CPC e do art. 319 que diz que se o réu não contestar a ação, reputar-se-ão verdadeiros os fatos afirmados pelo autor.

Para o juiz, a conduta da empresa foi ilícita, causando a autora da ação sérios dissabores, graves perturbações e lesão aos seus sentimentos. A condenação aplicada pelo magistrado deve não só reparar os danos morais, mas também inibir a prática de semelhante ato contra outros clientes.

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco VIVO
Advertisement

últimas quentes