Segunda-feira, 21 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Danos morais

Zeca Camargo indenizará por crônica sobre falecido cantor Cristiano Araújo

Decisão é da Justiça de GO.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

O jornalista Zeca Camargo indenizará os pais do falecido cantor Cristiano Araújo por danos morais, em virtude da veiculação de uma crônica sobre a morte do sertanejo, ocorrida em julho de 2015. A decisão é da juíza Rozana Fernandes Camapum, da 17ª vara Cível e Ambiental de Goiânia/GO, que fixou o valor em R$ 30 mil para cada requerente, que será depositado em favor de instituição social.

Os autores da ação alegaram que uma crônica do jornalista logo após o falecimento foi escrita e interpretada de forma preconceituosa e com a finalidade de denegrir a imagem, não apenas do cantor falecido, mas também da música sertaneja. Aduziram, ainda, que foram utilizadas imagens do velório e que vários trechos deturpam a imagem de Cristiano Araújo. Ao final, declararam que reconhecem o avanço constitucional da liberdade de expressão, mas que houve abusos e manifestações ofensivas.

Zeca Camargo alegou que não fez deboches, mas que expôs sua opinião de que o cantor não era, ainda, um artista de projeção nacional. Respondeu que fez uma análise sociológica da situação e clamou pela liberdade de expressão e informação jornalística sem cunho de caluniar, difamar e injuriar.

Falta de respeito ao momento do luto

A magistrada explicou que o jornalista pode fazer crônicas e falar com emoção, "mas não deve descambar para a agressão gratuita, desprestígio e humilhação à pessoa humana no momento da narrativa". Afirmou, ainda, que Zeca Camargo não respeitou o momento do luto do pai, da família, do empresário e dos fãs do cantor.

"Não teve o mínimo de compaixão e sensibilidade e no seu egoísmo e narcisismo, com pensamento de autoridade acerca do que deve ser considerado bom ou não, passou a agredir aquele que já não tinha defesa, morto ao alçar voo, causando sofrimento intenso a todos os fãs e em especial aos familiares e empresário que nele depositavam os sonhos de uma vida melhor."

Para a julgadora, a crônica desmerece a imagem de Cristiano Araújo “para dizer que o público e os fãs não eram dele, mas sim pessoas carentes de paixões e heróis e, tão somente por isto, arrastaram-se ao seu velório”.

“Forja uma encenação para ao final concluir que o povo não sabe escolher suas músicas e que a mídia, pensando exclusivamente em dinheiro, investe em pessoa que não merecia e pelo simples fato de ele não gostar em total afronta a divergência de opiniões que deve reger o Estado Democrático de Direito."

Ademais, a juíza informou que a crítica poderia sim ter sido feita, uma vez que a liberdade de pensamento e imprensa a autoriza. Contudo, não no momento do luto e utilizando imagens de alguém recém-falecido, ocasionando ofensa grave às pessoas que amavam o cantor.

"Não é sua opinião, quanto ao que seja música de qualidade que deve emocionar e comover multidões, que enseja a prática do ato ilícito e o abuso no exercício regular de um direito, mas os excessos cometidos, sem qualquer razoabilidade e sem respeito ao luto, imagem e honra dos autores."

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes