Terça-feira, 23 de julho de 2019

ISSN 1983-392X

Palestras: Nota fiscal eletrônica

sexta-feira, 24 de novembro de 2006


Palestras


Nota fiscal eletrônica

A advogada Ana Paula Camargo, consultora da Almeida Camargo Advogados, proferirá palestra sobre "Reflexões sobre a Nota Fiscal Eletrônica”, verdades e mentiras. O discurso acontecerá a convite de diversas empresas de que não aderiram aos Projetos em função dos custos elevados e incongruências técnicas e jurídicas levantadas, segundo informou. 

O Professor Antonio Leopoldo Curi, Consultor Fiscal da Almeida Camargo Advogados, foi convidado pela Central de Informações São Paulo, para proferir palestra com o Objetivo: Debater sobre a Nota Fiscal Eletrônica, bem como os impactos sobre o mercado e como as empresas podem se ajustar ao novo modelo nacional do documento fiscal. Aas necessárias reflexões sobre a Nota Fiscal Eletrônica no dia 27 de novembro de 2006.

Coriolano Camargo, sócio Diretor da Almeida Camargo Advogados foi convidado pela Interchange RH fará realizar o Contra Ponto, enfrentando as “Reflexões Estratégicas Sobre o Projeto NF-e. O evento acontece dia 13 de dezembro, como apoio do SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS E DAS EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIAS, INFORMAÇÕES E PESQUISAS DO ESTADO DE SÃO PAULO – SESCON-SP, do Conselho Privado da Nota Fiscal Eletrônica do Brasil - COFeB, Associação Brasileira da E-Business e DS/ONE Web Solutions. Aproveitando o ensejo, leia o comentário do especialista Giovanni Casagrande CEO do Portal Central de Domínio sobre o projeto da Nota Fiscal Eletrônica.

Conforme pesquisas atuais realizadas pelo especialista Giovanni Casagrande o sistema de informações da Internet atualmente não esta preparado para um aumento significativo de demanda. O que ninguém comenta é que a atual Internet e uma rede sem estrutura que foi migrada de antigas topologias (por exemplo, cita que estamos correndo pelo autódromo dos anos 70 com carros  com a necessidade de impor a velocidade do ano 2007). Feitas pequenas emendas e adaptada para as condições atuais ou  seja agregou-se novas tecnologias. Neste toar a cinco anos que se tenta migrar a atual rede para uma rede de maior capacidade, como o IPV6, mas sem sucesso. Ou seja, pretensamente,  quando se diz “time que esta ganhando não se mexe” essa razão do esporte, não tem muito valor para o mundo da tecnologia a serviço público de escrituração digita. 

Por isso, comenta Casagrande que comentamos com a autoridade de quem já morou fora do Brasil estudando tecnologias aplicadas a Internet, tendo montado um dos primeiros provedores de acesso a Internet do Brasil, e digo que por todos os meios que: “o projeto de nota fiscal eletrônica não tem a mínima condição de se tornar realidade em uma aplicação de produção em pequenos testes ou mesmo laboratório. O conceito pode ate aparentemente funcionar, mas a sua aplicação real será impossível com atual tecnologia o uso deste sistema”.Não é difícil de provar ou mesmo percebermos este fato cabal. Grandes empresas, dotadas de verba milionária para aplicação em tecnologia ao final do mês, ou mesmo, perto do  dia de grandes pagamentos os sistemas conectados em rede ficam absolutamente lentos e ate mesmo saem do ar por um grande tempo.

Vejamos também os casos de problemas nos sistemas do governo em época de declaração do imposto de renda. Logo no final do prazo, os sistemas ficam lentos e, veja, são dados que não necessitam de grandes condições de segurança e apenas troca de arquivo entre cliente (população) e servidor (da receita). Contudo, não tem como ser aplicado na atual tecnologia de rede (Internet), o sistema poderia sofrer ataques de negação de serviços, que qualquer adolescente com um simples programa zumbi poderia parar toda a rede em um ataque sincronizado como vem ocorrendo com grandes corporações. O especialista argumenta que não existe defesa contra este tipo de ataque. Comenta Casagrande que ainda não estamos contabilizando p volume de processamento do servidor que como demonstrado no processo que devera trabalhar com uma grande quantidade de criptografia, isto gera um alto processamento na CPU central, chegaríamos ao ponto onde deveremos ter Rodízio de envio de dados como o rodízio municipal em São Paulo, ou seja, empresa com final do CNPJ  “X”  devera mandar seus arquivos para autorização de envio de Notas Fiscais em horários pré-determinados.

Os sistemas de segurança hoje em dia não estão mais agilizando os serviços, eu pessoalmente fiz um estudo onde um cliente quando se começou a usar os caixas eletrônicos para sacar demoravam entre 2 a 5 minutos, na época bastava passar o cartão e digitar a senha, hoje em dia é necessário passar o cartão, digitar a senha, escolher um grupo letras e selecionar depois colocar novamente o cartão na leitora esta operação passou a ter mais de 5 minutos para pessoas acostumadas a tecnologia, e na Internet a coisa não facilitou em nada de uns tempos para cá inventaram o teclado virtual e um cartão onde tem de digitar uma seqüência de números para ter acesso à conta esta operação também aumentou o tempo de operação, em resumo qualquer tentativa de se transportar o mundo real para o virtual hoje esta fadado a ser mais uma bolha de oportunidades de ganho rápido ate que alguém venha e desmistifique o que realmente esta por traz dos interesses, Paises como o Chile não são  referencia em uso da Internet visto que a diversidade do país e a diversidade do povo são mínimas, diríamos quase homogênea coisa que não acontece no Brasil onde um mesmo produto tem de ser lançado com diferentes características em varias regiões do Brasil. Outro fator a ser levado em consideração é que as empresas da Capital ou de determinado local do País vão ter uma prioridade de acesso.

_________________

________________

patrocínio

VIVO

últimas quentes