Quarta-feira, 21 de agosto de 2019

ISSN 1983-392X

Wal-Mart é processada por funcionárias

Reclamação contra empresa torna-se a maior ação coletiva

quarta-feira, 23 de junho de 2004

Wal-Mart é processada por funcionárias

Um juiz federal norte-americano concedeu ontem o status de ação coletiva a um processo por discriminação sexual contra a Wal-Mart, o que englobaria um contingente de até 1,6 milhão de mulheres, tornando o caso o maior processo por discriminação no emprego já aberto contra uma empresa nos EUA.

No processo, aberto em San Francisco há três anos, as autoras da ação alegam que a Wal-Mart, maior empresa norte-americana, discrimina sistematicamente as mulheres, em termos de salário e promoções. A ação aponta que, embora 65% dos trabalhadores da Wal-Mart sejam mulheres, apenas 33% dos dirigentes de lojas do grupo são do sexo feminino. O juiz Martin Jenkins, do Tribunal Federal Distrital do norte da Califórnia, escreveu que o caso era "histórico por natureza, tornando menores todos os processos por discriminação no emprego que o precederam".

Os advogados da Wal-Mart, que tem 3.586 lojas nos Estados Unidos, haviam instado o juiz a não acolher o processo como ação coletiva, sob a alegação de que a classe definida por ele seria grande e complexa demais para que se pudesse tratá-la num caso único.

_______________ .

patrocínio

Bradesco VIVO
Advertisement

últimas quentes