Domingo, 26 de janeiro de 2020

ISSN 1983-392X

Revista Época desta semana publica matéria sobre os prédios considerados "suntuosos" erguidos pelo Judiciário em Brasília

X

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008


Construção

A Revista Época desta semana (Edição 507, 4 de fevereiro de 2008) publica matéria sobre os prédios considerados "suntuosos" erguidos pelo Judiciário em Brasília.

  • Confira abaixo a íntegra da matéria.

_____________
________

Para faraó nenhum botar defeito

Os prédios suntuosos erguidos pelo Judiciário em Brasília, ao custo de R$ 2,1 bilhões, são uma prova de como é possível cortar gastos no poder público


Na mira dos promotores - Operário trabalha na construção da nova sede do TRF em Brasília. O MP quer embargar a obra por causa de gastos desnecessários

Visto assim do alto, o setor de administração Federal Sul, em Brasília, mais parece o céu no chão. Nesse pedaço da capital, à direita da Praça dos Três Poderes, o Judiciário e o Ministério Público Federal vêm erguendo há dez anos um dos mais sofisticados e dispendiosos conjuntos de edifícios públicos do país. Os prédios do STJ, do TST, da Procuradoria-Geral da República e do anexo do STF compõem um monumento comparável às Pirâmides de Gizé, erguidas por escravos para sepultar os faraós do antigo Egito. No Vale dos Tribunais foi sepultado mais de R$ 1,3 bilhão de dinheiro oficial, a preços atualizados. Outros R$ 800 milhões serão gastos nas novas sedes do TSE e do TRF-1, que ficarão prontas em três anos.

São pirâmides de aço, concreto e vidro que trazem a assinatura de Oscar Niemeyer e exibem números monumentais. Só na estrutura do prédio do STJ, com paredes de meio metro de espessura, foram consumidos 59.000 metros cúbicos de concreto especial, 20% mais do que se usou para erguer o estádio do Morumbi. Quando as novas sedes do TSE e do TRF-1 estiverem prontas, o Vale dos Tribunais terá acumulado mais de 150.000 metros quadrados de vidros especiais. É material suficiente para forrar de espelhos e vidros fumês a nova pista do aeroporto de Brasília, com seus 3,5 quilômetros de extensão e 40 metros de largura.

O concreto usado na sede do STJ daria para construir uma centena de edifícios comuns de dez andares. São 133.000 metros quadrados de área construída para 4.500 servidores. Na média, 30 metros quadrados por servidor. Não é preciso comparar com a taxa da iniciativa privada para constatar que o exagero também é monumental. A estatal Petrobras, maior empresa da América Latina, tem 25 mil empregados em dez edifícios no Rio de Janeiro. Somados, têm uma área construída de 420.000 metros quadrados: média de 16,8 metros quadrados por empregado. No novo TSE, a área por servidor será de 55 metros quadrados por servidor. No TRF-1, será de 80, segundo o cálculo do procurador da República Rômulo Conrado, que ajuizou ação pública para tentar embargar a obra.

"Não questiono a necessidade de os tribunais terem uma nova sede ou de ampliarem seu espaço. Mas é como se eles precisassem de um carro e comprassem uma Ferrari", diz Conrado. A quantidade de Ferraris estacionadas no Vale dos Tribunais é compatível com a cultura do exagero e do desperdício de dinheiro público no país. Mas é um desafio à lógica que se mantenham os planos de construção do TSE e do TRF-1 no momento em que se discute um corte profundo nos gastos federais, para compensar o fim da CPMF. O imposto do cheque, extinto em dezembro pelo Senado, seria responsável por uma receita de R$ 38 bilhões em 2008, que não existe mais.

O governo pediu ao Legislativo e ao Judiciário que reduzam suas despesas para cooperar em um corte de R$ 20 bilhões em 2008. A presidente do STF, ministra Elen Gracie, dará sua resposta na próxima semana. Nada sugere que o dinheiro reservado às duas novas pirâmides seja excluído da parte do Orçamento destinada ao Poder Judiciário. No canteiro de obras do TSE, mil homens trabalham, das 7h30 às 23h30, todo dia, sem fins de semanas ou feriados, para entregar o prédio no prazo. "A nova sede visa atender às necessidades do tribunal", diz o presidente do TSE, ministro Marco Aurélio Mello.

Não é só o Judiciário que foge do corte de gastos. O Congresso também resiste a limitar os gastos que acrescenta ao Orçamento s por meio de emendas de parlamentares. O próprio Executivo ainda não mostrou qual será sua cota de sacrifício. Nos bastidores, técnicos do governo sussurram que o corte pode até ficar abaixo de R$ 5 bilhões porque a arrecadação de impostos vai crescer com a economia do país. Mesmo assim, não se justificam o desperdício e o mau uso do dinheiro público. "Ninguém precisa de prédios como o novo do TRF-1. Que ganhos práticos a sociedade vai ter com esses edifícios gigantescos?", pergunta Nelson Marconi, da FGV. Os prédios suntuosos do Judiciário apresentam uma face concreta do problema, mas há outros casos de desperdício e mau uso de verbas no governo e no Congresso.

Pior que ter um prédio suntuoso é ter um imóvel sem uso. Uma auditoria do TCU identificou 571 imóveis públicos federais abandonados. São terrenos e edificações que valem pelo menos R$ 2,6 bilhões e geram apenas gastos de manutenção para o governo. Outra auditoria do TCU divulgada no ano passado indicava um prejuízo para a União de pelo menos R$ 1 bilhão com 400 obras interrompidas em todo o país. Algumas, como estradas, hospitais e até escolas, foram quase integralmente pagas, mas não estão em condições de ser usadas. "Isso tudo é dinheiro que se jogou fora", diz o ministro do TCU, Ubiratan Aguiar.

"A sociedade não agüenta mais o mau gasto e está cobrando providências do governo para gastar melhor", diz o economista Raul Velloso. Por exemplo, gastando menos em passagens aéreas e diárias, dois itens de despesas não obrigatórias que sempre crescem. Os gastos com passagens aéreas previstos para 2008 são de R$ 990 milhões, 32% a mais que no passado. O gasto com diárias também vai subir 13%, passando para R$ 770 milhões neste ano. "Não existe controle efetivo sobre essas despesas. Raras vezes são apresentadas justificativas plausíveis para as viagens", afirma José Matias Pereira, economista da Universidade de Brasília e especialista em contas públicas.


O vale dos tribunais - Visão aérea do Setor de Administração Federal Sul. Os prédios do Judiciário lembram as pirâmides do Egito

O desperdício que viaja de avião também pode andar de carroça. Cerca de 10 toneladas de papel são descartadas todos os dias na Esplanada dos Ministérios. É parte dos R$ 80 milhões que o governo gasta, todos os anos, em fotocópias, de acordo com a ONG Contas Abertas. Ao contrário do governo, que joga fora, há cerca de 500 catadores de papel que recolhem esse lixo para revender. Eles desfilam pelas vias futuristas de Brasília em carroças puxadas por cavalos esquálidos. "Se não fosse a papelada dos ministérios, a nossa situação seria horrível", diz Francisco Lobato, da associação de catadores da Vila Planalto. "Nosso pessoal cata umas 5 toneladas por mês, o que rende uns R$ 500 para cada carroceiro."

Uma idéia recorrente, mas nem sempre eficaz, para reduzir despesas é transferir recursos públicos para ONGs que prestam serviços públicos e desenvolvem ações sociais. A quantidade de desvios detectados nesses contratos mostra que eles estão mais perto de ser um problema que uma solução. "Os repasses a ONGs e outras entidades, quando não são desviados, não são aplicados como deveriam", diz a procuradora da República Raquel Branquinho. Outra idéia que tem se mostrado ruim é o uso de cartões de crédito especiais por altos funcionários. Na teoria, eles serviriam para pagar pequenas despesas sem burocracia. Na prática, estão permitindo uma série de abusos.

"Com essa estrutura toda, todos esses ministérios, fica difícil economizar até em itens como papel", diz Nelson Marconi, da FGV. Materiais considerados descartáveis, como lápis, canetas, disquetes e clipes devem pular de R$ 5,9 bilhões em 2007 para R$ 6,5 bilhões neste ano. "O governo deveria também premiar funcionários de ministérios ou órgãos que economizam. É uma forma de estimular o corte de gastos."

Um programa desse tipo foi adotado a partir de 2007 pelo governo de Minas Gerais. As despesas correntes foram separadas entre "boas" (medicamentos, combustível para a polícia, material escolar) e "ruins" (consultorias, gastos com telefone e energia, material de escritório). Um decreto do governador Aécio Neves estabeleceu metas de redução das despesas ruins. As secretarias e as empresas que cumpriram as metas usaram parte da economia para pagar prêmios de produtividade aos servidores. Segundo o governo do Estado, foram poupados cerca de R$ 50 milhões em 2007.

É impossível calcular o quanto poderia ser economizado com programas desse tipo numa escala federal e com um controle mais eficiente dos gastos. A pior atitude, certamente, é não enfrentar o problema, contando com um aumento na arrecadação de impostos. "Se a arrecadação subir e o governo concluir que não precisa mais cortar gastos, será uma pena. Desperdício de dinheiro público é sempre desperdício, com ou sem CPMF", diz o economista Alberto Ramos, analista sênior para a América Latina do banco de investimentos Goldman, Sachs. É uma lição que vale para contribuintes e faraós. Do antigo Egito ou da moderna Brasília.

__________
_____________

Fonte: Revista Época - Edição 507, 4 de fevereiro de 2008

____________________

patrocínio

Advertisement VIVO

últimas quentes