Sexta-feira, 19 de abril de 2019

ISSN 1983-392X

Protesto de títulos em março aumenta 39,5% em relação a fevereiro, em SP

Pesquisa realizada pelo Instituto de Estudos de Protesto de Títulos - Seção São Paulo junto aos 10 tabeliães de protesto da capital de São Paulo revelou que em março de 2009 foram protestados 92.962 títulos.

quinta-feira, 16 de abril de 2009


Títulos

Protesto de títulos em março aumenta 39,5% em relação a fevereiro, em SP

Pesquisa realizada pelo Instituto de Estudos de Protesto de Títulos - Seção SP junto aos 10 tabeliães de protesto da capital de SP revelou que em março de 2009 foram protestados 92.962 títulos.

A alta foi de 39,5% em relação aos 66.607 de janeiro, 92.897 de janeiro, 75.227 de dezembro, 71.176 de novembro, 66.191 de outubro, 63.109 de setembro, 64.938 de agosto, 68.534 de julho. Já a alta em relação aos 62.032 títulos protestados em março de 2008 foi de 49,8%.

Apresentação

O total bruto de títulos apresentados ao Serviço Central de Protesto de Títulos voltou a subir bem: 238.192 títulos, contra 171.313 em fevereiro, 226.431 em janeiro, 214.158 em dezembro, 200.278 em novembro, 199.216 em outubro, 179.367 em setembro, 173.721 em agosto. Após serem apresentados no SCPT - Serviço Central de Protesto de Títulos (rua. XV de Novembro, 175 - Centro), os títulos podem ser pagos pelo devedor intimado: caso contrário, são enviados a protesto. Do total, foram devolvidos como irregulares, pois por alguma razão não puderam ser sequer intimados 23.779: restaram apenas em condições de ir para protesto 214.413. Mas, como vimos, apenas 92.962 foram efetivamente protestados, porque a imensa maioria foi paga logo após a intimação.

Cancelados - é importante lembrar que, mesmo após o protesto, o devedor ainda pode cancelar seu nome da lista de cidadãos oficialmente declarados inadimplentes: basta pagar a dívida e despesas no cartório. Uma vez cancelado o protesto, a pessoa imediatamente "limpa" o nome e não pode mais ser incluída em listagens como inadimplente. Em fevereiro, os cancelamentos de protestos atingiram 25.479 títulos contra 21.611 em fevereiro, 24.047 em janeiro, 22.771 em dezembro, 20.784 em novembro, 26.053 em outubro, 29.219 em setembro, 28.446 em agosto, 30.190 em julho.

Cheques - Dos títulos protestados, somente % foram cheques - 15.012 contra 11.412 em fevereiro, 11.082 em janeiro, 12.789 em dezembro, 11.767 em novembro, 12.914 em outubro, 14.108 em setembro, 13.447 em agosto,13.322 em julho.

Duplicatas - As duplicatas dispararam: 59.124 contra 44.245 em fevereiro, 68.750 em janeiro, 50.864 em dezembro, 47.423 em novembro, 39.908 em outubro, 36.918 em setembro, 38.988 em agosto, 43.206 em julho. Números que envolvem principalmente duplicatas mercantis por indicação, mas também duplicatas mercantis, de serviço e de serviço por indicação, triplicatas mercantis e de serviço.

Promissórias - As notas promissórias bateram todos os recordes dos últimos tempos: 10.966 contra 6707 em fevereiro, 7.783 em janeiro, 7.722 em dezembro, 9029 em novembro, 9.628 em outubro, 8.426 em setembro, 8.671 em agosto, 8776 em julho.

Letras de câmbio - Aumentaram muito também as letras de câmbio: 5506 protestadas contra 2770 em fevereiro, 3797 em janeiro, 2568 em dezembro, 2527 em novembro, 2.590 em outubro, 2558 em setembro, 2483 em agosto, 2178 em julho.

Novos e outros títulos - Os títulos novos também cresceram muito: 2349 contra 1473 em fevereiro, 1484 em janeiro, 1284 em dezembro, 1027 em novembro, 1.149 em outubro, 1097 em setembro, 1346 em agosto, 1775 em julho. Entre esses títulos, destacam-se bem as cédulas de crédito bancário, que dispararam para 1744 contra 1082 em fevereiro, 1090 em janeiro, 882 em dezembro, 734 em novembro, 759 em outubro, 681 em setembro, 967 em agosto, 725 em julho. Restaram 605 novos tipos de títulos, como certidões da dívida ativa, contratos de locação e aluguel, contratos de câmbio, contratos de mútuo, contratos de alienação fiduciária, contratos de reserva de domínio, sentenças judiciais, notas de crédito, termos de conciliação, certidões de crédito comercial, confissões e documentos de dívida e encargos condominiais.

________________________

patrocínio

Bradesco VIVO

últimas quentes