Domingo, 20 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Presidente do STF indefere liminar requerida pelo DEM contra cotas raciais da UnB

O presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, indeferiu, no dia 31/7, pedido de liminar formulado pelo DEM na ADPF 186, em que contesta as cotas raciais de 20% para negros, instituída pela Universidade de Brasília em seus concursos vestibulares.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009


Cotas raciais

Presidente do STF indefere liminar requerida pelo DEM contra cotas raciais da UnB

O presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, indeferiu, no dia 31/7, pedido de liminar formulado pelo DEM na ADPF 186, em que contesta as cotas raciais de 20% para negros, instituída pela Universidade de Brasília em seus concursos vestibulares.

Antes de decidir, o ministro Gilmar Mendes havia solicitado pareceres da PGR e da AGU. Ambas se manifestaram contra a concessão da liminar e pela constitucionalidade dos atos administrativos praticados pela UnB, que a tornaram a primeira instituição de ensino superior federal a adotar o sistema de cotas raciais.

Decisão

Em sua decisão, o presidente do STF sugere que ações afirmativas, como as cotas raciais, deveriam ser limitadas no tempo e diz acreditar que "a exclusão no acesso às universidades públicas é determinada pela condição financeira".

Observa que "nesse ponto, parece não haver distinção entre 'brancos’ e ‘negros', mas entre ricos e pobres". Com base nesse raciocínio, questiona se "a adoção do critério da renda não seria mais adequada para a democratização do acesso ao ensino superior no Brasil", reportando-se à "Síntese de Indicadores Sociais 2006", elaborada pelo IBGE segundo a qual o "critério de pertencimento étnico-racial é altamente determinante no processo de diferenciação e exclusão social".

Os dados do levantamento indicam, também, que a taxa de analfabetismo de negros (14,6%) e de pardos (15,6%) continua sendo, em 2005, mais que o dobro que a de brancos (7,0 %).

O ministro ressalta que "o tema não pode deixar de ser abordado desde uma reflexão mais aprofundada sobre o conceito do que chamamos de 'raça'. Nunca é demais esclarecer que a ciência contemporânea, por meio de pesquisas genéticas, comprovou a inexistência de 'raças' humanas. Os estudos do genoma humano comprovam a existência de uma única espécie dividida em bilhões de indivíduos únicos".

Gilmar Mendes admite que a questão é polêmica, mas pondera que o Plenário do STF deverá pronunciar-se, em momento oportuno, sobre o inteiro teor do pedido de medida cautelar e o cabimento da ação, bem como sobre a eventual possibilidade de seu conhecimento como ADIn, em razão da peculiar natureza jurídica de seu objeto.

O ministro afirma que o questionamento feito pelo Partido Democratas "é de suma importância para o fortalecimento da democracia no Brasil". Ainda segundo ele, "as questões e dúvidas levantadas são muito sérias, estão ligadas à identidade nacional, envolvem o próprio conceito que o brasileiro tem de si mesmo e demonstram a necessidade de promovermos a justiça social".

Entre outras indagações colocadas na ação, ele destaca as seguintes: "Até que ponto a exclusão social gera preconceito? O preconceito em razão da cor da pele está ligado ou não ao preconceito em razão da renda?".

E, também, "como tornar a universidade pública um espaço aberto a todos os brasileiros? Será a educação básica o verdadeiro instrumento apto a realizar a inclusão social que queremos: um país livre e igual, no qual as pessoas não sejam discriminadas pela cor de sua pele, pelo dinheiro em sua conta bancária, pelo seu gênero, pela sua opção sexual, pela sua idade, pela sua opção política, pela sua orientação religiosa, pela região do país onde moram etc?".

Ele pondera que, apesar da importância do tema em debate, "neste momento, não há urgência a justificar a concessão da medida liminar".

Lembra, nesse sentido, que o sistema de cotas raciais foi adotado pela UnB desde o vestibular de 2004 e se vem renovando a cada semestre. Recorda, ainda, que a interposição da ADPF do Democratas ocorreu após a divulgação do resultado final do vestibular 2/2009, quando já encerrados os trabalhos da comissão avaliadora do sistema de cotas.

"Assim, por ora, não vislumbro qualquer razão para a medida cautelar de suspensão do registro (matrícula) dos alunos que foram aprovados no último vestibular da UnB, ou para qualquer interferência no andamento dos trabalhos na universidade", concluiu, indeferindo o pedido de liminar, que deverá ser referendado (aprovado) pelo Plenário.

____________

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes