Encerrado


Seminário


Certificação de Alimentos


ISOs e Estratégias para exportação


Boas Práticas Sanitárias

Trâmites de Auditoria

Exigência de Mercado

  • Data: 28/3
  • Horário: 8h30 às 18h
  • Local: Pestana Hotel, rua Tutóia, 77, SP

Apresentação


No ano passado, só em alimentos processados, as exportações brasileiras atingiram R$ 20 bilhões, 18% a mais do que em 2004. Se agregarmos todas as commodities, como grãos e frutas, este valor salta para US$ 43,6 bilhões. Apesar dos grandes volumes exportados, as empresas brasileiras do setor ainda não conseguem margens de lucro compatíveis com a qualidade de seus produtos. A maioria desconhece as vantagens de investir em sistemas de qualidade e/ou de segurança de alimentos, não só para conquistar e manter novos mercados, mas para melhorar sua competitividade no cenário global.


Como a adesão a novas normas de qualidade é de caráter voluntário, seja por orientações de governos ou da iniciativa privada, poucos agentes de determinada cadeia percebem seu valor como diferencial competitivo. Siglas como EurepGAP, ISO 9001, ISO 14000, ISO 17025 e ISO 22000, HACCP, BRC-Food, Dutch HACCP, entre outras, representam um escopo de normas que comandam uma revolução no plantio, processamento, transporte e comercialização de alimentos. Em muitos pontos, algumas destas normas são convergentes, só diferenciando-se pelo nome; noutros, as exigências variam em intensidade. É fundamental saber que norma será aplicável a determinado produto, para que este seja mais valorizado no mercado.


Também é preciso considerar que a adequação às normas implica, num primeiro momento, em algum investimento para o exportador, já que é preciso cumprir toda uma maratona de quesitos antes de obter o tão-sonhado "passaporte da qualidade". Um processo inadequado de certificação, além de não levar a vantagens competitivas, se traduziria em prejuízo ao exportador.


A InterNews elaborou este seminário no intuito de esclarecer os exportadores sobre como tirar maior proveito da certificação.


Especialistas vão mostrar quais normas são importantes em cada atividade da cadeia, como e por que fazer a adesão e quais os impactos no marketing e no potencial de venda dos produtos.


Tópicos abordados:

  • As mais importantes normas nacionais e internacionais
  • Os princípios da HACCP estabelecidos pelo Codex Alimentarius
  • Como chegar a uma base única de referência para as auditorias de primeira, segunda e terceira partes
  • Como alinhar e integrar a estrutura de gestão ao modelo proposto nas normas
  • Prever adequações técnicas e gerenciais
  • Estimar impactos no custo de implantação
  • Mensurar ganhos potenciais em mercados promissores
  • Macroestratégias de marketing para produtos certificados
  • Cases de sucesso na implantação de normas de qualidade

Programa


8h30 — Abertura e Credenciamento


9h — Perspectivas de exportação em mercados de alta exigência sanitária e de qualidade: a atuação do Inmetro no mercado mundial de alimentos


Fernando Goulart


Engenheiro mecânico, metrologista, com atuação na área
internacional do INMETRO. Coordenador do subgrupo de trabalho sobre regulamentos técnicos e procedimentos de avaliação do Instituto


9h45 — Visão evolutiva dos sistemas integrados de gestão de qualidade em alimentos e bebidas


Ellen Lopes


Diretora executiva da Food Design;
Mestre em Ciências de Alimentos pela FCF-USP, com 25 anos de experiência em Sistemas de Gestão e de Garantia da Qualidade nas áreas de alimentos e bebidas


10h30 — Coffee Break


10h45 — Aspectos legais relevantes na produção, distribuição e exportação de alimentos: como satisfazer critérios dos Ministérios da Saúde (MS) e da Agricultura (Mapa)


Fábio Sérgio Alves


Coordenador-técnico de treinamentos, auditor e instrutor líder da Certificadora DNV


11h30 — Debates


12h— Almoço


14h — Fundamentos normativos de gestão de segurança de alimentos/qualidade: normas nacionais e internacionais


Ângela Pellegrino


Consultora sênior da Food Design;
20 anos de experiência em garantia da qualidade, certificação de sistemas e produtos de consumo, treinamento e consultoria


15h30 — Coffee Break


15h45 — ISO 22000: barreira técnica ou melhoria para a indústria de alimentos?


Fábio Sérgio Alves


Coordenador-técnico de treinamentos, auditor e instrutor líder da Certificadora DNV


16h30 — Case de implantação de programas da qualidade: análise de benefícios

COCAM – Cia. de Café Solúvel e Derivados (Catantuva/SP)


Roseani Caseri Pereira


Engenheira de Alimentos formada pela Unesp;
7 anos de experiência na implantação e manutenção dos programas de segurança do alimento e garantia da qualidade. Supervisora de Segurança Alimentar e responsável pela área de Garantia da Qualidade da Cocam - Cia de Café Solúvel e Derivados (Catanduva/SP)


17h15 Fundamentos para elaboração do marketing na venda de produtos certificados: o que falta da porteira para fora


Representante da Associação Brasileira de Marketing Rural & Agronegócio (ABMR&A)


18h Encerramento


Preço


- R$ 1.480,00 para inscrições pagas até dia 22/3

- R$ 1.660,00 para inscrições pagas após dia 22/3


*Os pagamentos podem ser feitos por depósito bancário ou por cartão de crédito


**Estão inclusos os custos de material, coffee break e estacionamento


Realização

  • InterNews

_____________


Para concorrer à vaga:


Clique aqui.



INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES


TELEFONES


0800-177 707 ou (11) 3751-3430


E-mail


[email protected]


ou


Clique aqui

Publicado terça-feira, 7 de março de 2006