quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

COLUNAS

  1. Home >
  2. Colunas >
  3. Circus >
  4. Pátria

Pátria

sexta-feira, 29 de setembro de 2006

 

"Não verás país nenhum como este: imita na grandeza a terra em que nasceste!"

(Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac)

Cacá Diegues é alguém que conhece o país onde nasceu e onde vive. Seu filme Bye, Bye Brasil é um registro crítico de um Brasil que muitos brasileiros preferem não conhecer. Quando você vê o cenário de um Jardineiro Fiel, filme que narra uma história que se passa quase toda na África, não por acaso dirigido por outro brasileiro, você fica impressionado ao descobrir que do outro lado do Atlântico há um segundo Brasil. Aliás, quem já esteve no Congo ou em Angola, que correspondem àquele pedaço de terra que o mar e o tempo retiraram da Bahia, nota que até mesmo as palmeiras de lá se parecem com as palmeiras de cá. A areia das praias, os negros e a pobreza são os mesmos. Veja o filme, se não viu, e confirme isso.

Ninguém imagina que o fato de um filme mostrar o que esses dois filmes denunciam implicará a imediata tomada de consciência de que as coisas, cá e lá, podem e devem ser diferentes. Essa mudança da cultura não se faz de um dia para outro. Mas isso acaba acontecendo, para o bem ou para o mal.

Se você vê a chuva cair no chão, você imagina que um habitante do Lácio também via a chuva caindo no chão? Pois ele via. Só que a chuva ele chamava de pluvia e o chão ele chamava de planus. O fenômeno atmosférico é o mesmo, mas o pl dos latinos se transformou no ch da língua portuguesa. Quem fez isso? Quanto tempo foi necessário para isso ser feito? Por que foi feito?

A História, como o ônibus do Cacá Diegues, é algo que vai construindo o seu caminho e sendo reparado à medida que avança à procura dele. Pense na dificuldade de trocar os pneus com o ônibus em movimento antes de dizer que "isso não tem mais jeito". É fácil?

Quando você reclamar que a fila no banco ou para entrar no cinema está muito comprida, lembre-se de que na China não há fila. As pessoas chegam lá na frente para serem atendidas a golpes de cotoveladas. Pergunte à Maria Helena, que queria comer um hambúrguer de carne de cachorro em Beijing, que é como eles, ignorantes que são, chamam a cidade de Pequim. Mulheres, velhos e crianças são derrotados nessa disputa, o que está perfeitamente de acordo com uma cultura em que a companheira jamais anda de braço dado com o marido, mas pelo menos um metro lá atrás. No livro O Livreiro de Cabul, que está esgotado nas livrarias, a jornalista norueguesa Asne Seierstad informa, a quem interessar, o que é ser mulher nos países islâmicos. Elas são vendidas e compradas como uma cabra ou uma porca. Imagine o impacto disso para quem vive na Noruega, um país onde o sexo fraco é o masculino. Você acha que no Brasil isso é muito diferente? Pergunte às mulheres que "fizeram concessões" para obter certos empregos ou serem promovidas e elas lhe contarão coisas interessantes. O famoso "teste do sofá", no qual as candidatas a um emprego na televisão deveriam (ou ainda devem?) passar, não é folclore.

Quando Mary Quant inventou a mini-saia, foi imitada no mundo todo. Em que ano se deu isso? Pergunte aí à tua mãe. Pois do lado de lá da cortina de ferro essa moda indecente penetrou, levada certamente por agentes capitalistas, que pretendiam, com isso, destruir os valores morais dos soviéticos. Coisa da CIA. Felizmente, o primeiro ministro Nikita Kruchev, sempre alerta, fez condenar à morte dois costureiros que se atreveram a tentar implantar a nova e inadmissível moda, que nem por isso deixou de ser ali adotada algum tempo depois. As pessoas quiseram, as pessoas fizeram.

Quando a modelo brasileira Rose Di Primo, acho que ainda está viva, inventou, por mero acaso, o biquíni, foi aquele escândalo. O presidente Jânio Quadros, que, atendendo a pedido da escritora Adelaide Carraro, havia proibido a briga de galo, pois ela, que escrevia livros eróticos que nossos pais não permitiam que as filhas lessem, tinha muita pena dos bichinhos, talvez atendendo a pedido de outra fã, certamente de corpo menos aplaudível do que o da modelo, não deu para proibir também o uso daquela peça indecente? Duvida? Estou exagerando? Pois procure aí na sua biblioteca o decreto número 51.009, de 22 de julho de 1961, e veja o que ele diz.

É nessas idas e vindas que se constrói o que, ao fim de algum tempo, se chama cultura. É claro que cultura é muito mais do que isso, mas isso está nela incluído.

Comecei com o Cacá e termino voltando a ele. Qual será o maior amor do mundo? A julgar pelo mais recente filme do Diegues, poderemos pensar que é o amor materno, como diz o Contardo Calligaris. Mas, quem é a mãe, no filme?

Em nossa linguagem comum, falamos em "pátria mãe", expressão aparentemente contraditória, pois, originalmente, pátria é o local onde estão enterrados os nossos antepassados do sexo masculino, os nossos patres.

Disse o Fernando Pessoa, no Livro do Desassossego: "Minha pátria é a língua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me incomodassem pessoalmente, mas odeio, com ódio verdadeiro, quem não sabe syntaxe, não quem escreve em orthographia simplificada, mas a página mal escripta, a syntaxe errada, como gente em que se bata, a orthographia sem ípsilon, como escarro directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse. Sim, porque a orthographia também é gente. A palavra é completa vista e ouvida. E a fala da transliteração greco-romana veste-ma do seu vero manto régio, pelo qual é senhora e rainha".

O Caetano se apropriou da idéia: Eu não tenho pátria, tenho mátria e quero frátria.

Voltando ao filme, a moralização do Brasil, que os Nikitas de 1964 tentaram fazer, levou um pensador a desraizar-se de seu solo natal, buscando na ciência a explicação para o paradoxo da vida. Deu no que deu com ele e conosco. Ali está aquilo que já lemos em certo poema: "dos filhos deste solo és mãe gentil, pátria amada". Conhece?

Eu disse lá em cima que as palavras, como as pessoas e as nações, são coisa viva. Formidável é um adjetivo que abre sorriso na cara mais séria. Quem não gostaria de ser assim chamado? Saber que é bonita, inteligente, boa praça, bacana, nota dez, pedra noventa e tantos outros sinônimos que a palavra comporta? Para os romanos, porém, formido era aquele espantalho que nós pomos no milharal para afugentar os passarinhos. Formidável para eles era algo que metia medo, que espantava, que afugentava. Quando as pessoas (= o povo) resolveram mudar o sentido da palavra, ninguém segurou. Se digo que minha sogra é uma mulher formidável eu estou dizendo exatamente isso: ela é um exemplo de ser humano, pese-lhe embora o Alzheimer.

Que tal se fizéssemos hoje o mesmo que os nossos ascendentes fizeram outrora? Se pegássemos o nosso formidável país e o transformássemos em um país formidável?

O sentido da palavra lá e cá fica por tua conta.

Atualizado em: 28/9/2006 13:04