quinta-feira, 26 de maio de 2022

COLUNAS

  1. Home >
  2. Colunas >
  3. Impressões Digitais >
  4. Supremo inicia julgamento, mas ainda não decidiu se polícia pode ou não vasculhar celular de suspeitos sem ordem judicial

Supremo inicia julgamento, mas ainda não decidiu se polícia pode ou não vasculhar celular de suspeitos sem ordem judicial

sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

Imagine-se a seguinte situação: numa abordagem realizada após uma denúncia anônima, o policial, ao verificar que a pessoa está portando um smartphone, exige que esta desbloqueie a tela e passa a examinar arquivos, fotos, contatos armazenados na agenda, ligações efetuadas e recebidas, procurando, com isso, verificar se a pessoa é ou não a autora do delito investigado ou, por vezes, de "algum delito". Esta conduta é válida?

Em nossa primeira coluna - publicada aqui em Migalhas em setembro de 2019 - comentávamos sobre o início da discussão do Tema 977 da Repercussão Geral do Supremo Tribunal Federal (STF), a saber: "aferição da licitude da prova produzida durante o inquérito policial relativa ao acesso, sem autorização judicial, a registros e informações contidos em aparelho de telefone celular, relacionados à conduta delitiva e hábeis a identificar o agente do crime".

O tema está em discussão no STF no Recurso Extraordinário com Agravo (ARE) nº 1.042.075, da relatoria do ministro Dias Toffoli. O recurso estava liberado para julgamento desde agosto de 2018 e, um ano depois, o então presidente da Suprema Corte divulgara calendário com previsão de seu julgamento naquele semestre. Passou-se mais um ano até que o recurso finalmente foi incluído na sessão virtual do Plenário do STF, que teve início em 30 de outubro passado.

Em breve histórico do caso, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ/RJ) absolvera o acusado justamente por considerar ilícita a prova produzida após a apreensão de seu telefone e acesso ao registro de chamadas e contatos encontrados no celular sem ordem judicial para tanto. O Ministério Público fluminense não se conformou e recorreu ao Supremo, defendendo que o ato configuraria apreensão de objetos necessários à prova da infração penal, o que é permitido pela legislação brasileira (artigo 6º do Código de Processo Penal).

Como expusemos à época, o entendimento do TJ/RJ coincidia com o das duas Turmas criminais do Superior Tribunal de Justiça (STJ), para quem a proteção conferida pelo sigilo telefônico prevalece, de modo que a autoridade policial deve requerer judicialmente a quebra do sigilo dos dados armazenados no celular1. Conhecendo o posicionamento do STJ, a estratégia do órgão de acusação foi levar a discussão para o âmbito constitucional.

Pois bem, iniciado o julgamento no STF, o relator deu provimento ao agravo e, na sequência, ao próprio recurso extraordinário, determinando que os autos retornassem ao tribunal fluminense para que - afastada a ilicitude da prova - fosse novamente julgada a apelação.  Para o ministro Dias Toffoli, é lícita a prova obtida com o acesso a registro telefônico ou agenda de contatos do celular mesmo sem autorização judicial, por não configurar ofensa ao sigilo das comunicações, à intimidade o à privacidade do acusado.

Os ministros Gilmar Mendes e Edson Fachin divergiram. Para eles, a verificação dos dados contidos nos celulares depende de "prévia decisão judicial que justifique, com base em elementos concretos", a necessidade e adequação da medida, bem como "delimite a sua abrangência"2.

Em seu voto, Gilmar Mendes destacou que a jurisprudência do próprio Supremo firmada entre o final da década passada e o início da atual estava superada diante do enorme avanço das tecnologias aplicadas aos smartphones. "Sem dúvidas, cada vez mais a nossa vida quase inteira está registrada em nossos aparelhos celulares"3, afirmou, ponderando a necessidade de cautela e a imposição de limites para que não estejamos diante de um "Estado espião e onipresente".

Para o ministro, desde que haja suspeita de que o telefone contenha provas importantes à investigação criminal, é permitido que a autoridade policial apreenda o celular. Ficam proibidas, no entanto, as buscas genéricas, com o intuito de tentar achar algo que incrimine o suspeito. Antes do acesso aos dados, é necessário que se obtenha ordem judicial.

Mantemos o entendimento de que esta é a posição correta e que o uso das novas tecnologias - embora possa e deva contribuir com a segurança pública - não pode simplesmente dispensar a necessidade de investigação policial. Não apenas neste exemplo, mas também nos cada vez mais corriqueiros pedidos de interceptações telefônicas4 e de correspondências eletrônicas, com o chamado espelhamento de contas de e-mail.

O julgamento aqui tratado foi suspenso por pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes - ex-promotor de Justiça - e não tem data para ser retomado. Faltam ainda oito votos a serem proferidos.    

__________

1 Confira-se, a respeito, o RHC 51.531/RO, da Sexta Turma, relator o ministro Nefi Cordeiro (DJe 9/5/2016) e o RHC 67.379/RN, da Quinta Turma, relator o ministro Ribeiro Dantas (DJe 9/11/2016).

2 Em reportagem datada de 2/11/2020, Migalhas divulgou as íntegras dos votos provisórios dos ministros Toffoli e Mendes. Como o julgamento ainda não se encerrou, os votos podem ser alterados.

3 Argumento semelhante ao que utilizamos em nossa coluna anterior sobre o tema: "(...) um smartphone não deve ser comparado a uma antiga agenda de endereços e telefones (...) levamos atualmente conosco, para todos os lugares, dados muito sensíveis, uma gama de informações que inclui mensagens, lista de contatos, fotografias, e-mails, registro de ligações, perfis (e comunicações) em redes sociais, contas bancárias, trajetos percorridos nos dias anteriores e muito mais".

4 Sobre a impossibilidade de interceptações telefônicas decorrentes de denúncias anônimas e sem qualquer outra diligência policial a justificá-las, recomenda-se a leitura da recente decisão do ministro Edson Fachin no HC 181.020, que considerou ilícita a interceptação baseada em considerações genéricas, sem prova de materialidade e indícios de autoria. Este processo já transitou em julgado.

Atualizado em: 4/12/2020 13:30