sexta-feira, 23 de abril de 2021

COLUNAS

Publicidade

Fornecedores no Brasil

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

O amigo Dialmar comenta:

"A advocacia no Brasil é muito amadora. Tive diversos parceiros comercial e em 100% dos casos desfiz a parceria pois eles não tem nenhuma tem qualidade".

Dialmar, obrigado pelo comentário. Vou colocar aqui um ponto controverso que tenho certeza que muita gente vai se indignar. Mas como é essa minha impressão sobre o assunto, vai assim mesmo. Na minha visão, o Brasil está acostumado a ter fornecedores péssimos, em todas as esferas de atuação. Amadores, como você mesmo comentou. Obviamente não estou falando de todos, mas uma grande parte dos serviços ofertados ao mercado tem mentalidade de tudo, menos empresarial.

Leitor, veja se você já passou por algumas situações como essas:

  • Ter que ligar para um fornecedor para cobrar uma cotação prometida (apesar de ser dele o interesse em vender os serviços);
  • Ter prazos prometidos (algumas vezes jurados de pé juntos) mas nunca cumpridos (e geralmente avisados apenas depois do prazo vencido);
  • Não receber satisfações de quando algo prometido não é realizado (maus fornecedores simplesmente ignoram o acontecido);
  • Ao querer se conectar a um destes fornecedores amadores, nunca conseguir contato (não existe telefone fixo, leem uma mensagem no whatsapp mas não respondem e aparentemente não conhecem a função "responder" do e-mail);
  • Saber que "horário comercial" significa, para eles, "de quando eu puder estar aí" até "quando eu estiver a fim de ir embora");
  • Escutar as desculpas mais esfarrapadas do mundo com referência aos trabalhos executados (caso ilustrativo: uma vez eu trabalhei com um pedreiro que me disse que a parede que ele havia feito estava torta pois a minha rua era muito barulhenta.... What????);

E como a qualidade está nivelada por baixo, se perpetua continuamente a ideia de que isso é normal. E quero deixar claro aqui: isso NÃO é normal.

Não é normal você ter que cobrar um fornecedor pedindo novamente a cotação que ele deveria ter enviado em menos de 24 horas depois de seu contato.

Não é normal você ter que sofrer com prazos dados e não cumpridos, independente do cenário. Se o fornecedor deu prazo, devia ter a proatividade de cumprir (ou pelo menos avisar com larga antecedência o porquê não vai conseguir cumprir e qual o motivo).

Não é normal você fingir que está tudo bem com um serviço desorganizado e mal entregue simplesmente porque o fornecedor deu uma desculpa pra lá de esdrúxula.

Não é normal.

Trazendo isso para esfera jurídica, e baseado em relatos que venho acompanhando nestes mais de 20 anos de marketing jurídico, vemos muitos advogados trazendo exatamente esta cabeça amadora de atuação para dentro do seu escritório. Muitos relatos apontam advogados prometendo e não cumprindo, não mantendo relação de acompanhamento e explicação aos seus clientes, dando desculpas usando o juridiquês, "sumindo" do alcance do cliente e, ainda, fazendo o maior erro advocatício de todos os tempos: perdendo prazo.

Novamente, para que eu não seja mal interpretado pelos amigos advogados: sei que não são todos que tem essa atuação amadora e só comento o que comento acima justamente para que estes que estão nesta situação acima elevem sua atuação. Afinal de contas, cada vez mais, um advogado tem a acirrada concorrência no seu calcanhar. Tenha certeza que o mercado vai escolher o mais profissional do que o amador.

Espero ter ajudado.

Confira toda sexta-feira a coluna "Marketing Jurídico" e envie suas dúvidas sobre marketing jurídico, gestão de escritórios,  cotidiano dos advogados empreendedores ou dúvidas gerais sobre o dia a dia jurídico por e-mail (com o título Coluna Marketing Jurídico) que terei um grande prazer em ajudar.

Bom crescimento!

Atualizado em: 20/11/2020 08:22

Publicidade