sexta-feira, 17 de setembro de 2021

COLUNAS

  1. Home >
  2. Colunas >
  3. Marketing Jurídico >
  4. O bonequinho do ego

O bonequinho do ego

sexta-feira, 3 de setembro de 2021

O amigo Leite Pedrosa comenta:

"E aí, meu amigo, quando você vai ter seu bonequinho Funko? Rsrsrsrsrs O que achou da ação?".

Pedrosa, obrigado pelo humoroso comentário. Impossível ser da comunidade jurídica e não ter sido bombardeado, na semana que passou, sobre a ação de um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil que lançou um boneco Funko (febre entre colecionadores) de seu sócio majoritário. E isso nos traz análises dos mais diversos tipos que tento resumir aqui.

Em primeiro lugar vamos falar do ego. Na minha percepção (minha e unicamente minha), qualquer indivíduo, independente do nível intelectual, profissional ou pessoal que tenha alcançado, nunca deveria exaltar sua própria pessoa. Isso é extremamente oposto a uma das características mais importantes de um ser humano, que é a humildade. Uma coisa é quando alguém fala algo de bom sobre você ou faz alguma ação enobrecendo seu caráter. Outra coisa é você mesmo ficar promovendo isso. "Olha como sou importante", "Olha o que eu já fiz", "Olha onde estou aparecendo", etc. Vejo aí então (mesmo sem ser psicólogo), uma característica de carência emocional muito forte, onde a pessoa tem que tentar solidificar que ela é relevante aos demais constantemente, sempre mostrando esse autoengrandecimento pessoal e profissional.

E já que usamos a palavra autoengrandecimento, vamos partir para o próximo item da análise, o novo provimento 205/2021. Nele existem textos falando e moldando o advogado para que não parta para esse lado de tentar se mostrar com a autointitulação de o melhor. Ser o melhor deve ser um conceito que o mercado deve dar ao advogado, nunca dado por ele mesmo. Nada mais vergonha alheia do que falar "eu sou o melhor" e as pessoas pensarem "quem disse?". Então aqui vemos que, além de projetar uma imagem de carência, você está claramente fora das novas regras do provimento. E, para falar a verdade, de qualquer provimento anterior também, afinal de contas a ação pode ser tudo, menos sóbria e discreta.

Terceiro e último ponto a conversarmos sobre o tema de hoje, é o fato de que o escritório justificou que a ação era de endomarketing, ou seja, era para ser apenas uma ação interna, para os funcionários. Pergunto então: como foi a análise interna feita para que se chegasse à conclusão que todo funcionário gostaria de ter um bonequinho de seu chefe em sua mesa? "Você gostaria de uma bonificação salarial ou de um bonequinho do sócio em sua mesa?", "Você gostaria de uma ação interna de integração entre os colaboradores ou de um bonequinho do sócio em sua mesa?" ou "Você gostaria de um aumento dos benefícios oferecidos pelo escritório ou de um bonequinho do sócio em sua mesa?". Se a resposta foi o bonequinho, gostaria de parabenizar esses ilustres fantasmas.

Espero poder ver o dia onde as pessoas façam as coisas certas simplesmente por serem certas, sem ter que tentar mostrar, como crianças, "olha mamãe, que desenho lindo eu fiz". Se você faz seu trabalho bem e dá resultados aos seus clientes, não precisa ficar constantemente se exaltando em busca de atenção e fortalecimento de seu ego. Você está fazendo sua parte para tornar o mundo melhor e isso, e apenas isso, vai constar em seu legado e carma.

O "olha pra mim, olha mim, olha pra mim", na maioria das vezes, é triste de se olhar.

Espero ter ajudado.

Confira toda sexta-feira a coluna "Marketing Jurídico" e envie suas dúvidas sobre marketing jurídico, gestão de escritórios, cotidiano dos advogados empreendedores ou dúvidas gerais sobre o dia a dia jurídico por e-mail (com o título Coluna Marketing Jurídico) que terei um grande prazer em ajudar.

Bom crescimento!

Atualizado em: 3/9/2021 08:50