Quinta-feira, 19 de setembro de 2019

ISSN 1983-392X

As inovações trazidas pela lei 12.431/2011 para investidores e concessionárias

Milena do Espirito Santo

A advogada discorre sobre as inovações trazidas pela lei 12.431/2011 que reduziu as alíquotas de imposto de renda dos rendimentos oriundos de debêntures emitidas por SPE.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Com o objetivo de fomentar o setor de infraestrutura, o Governo Federal reduziu a tributação sobre os rendimentos oriundos de debêntures emitidas por SPE (sociedade de propósito específico). Essas debêntures constituem-se em importante instrumento para obtenção de recursos das companhias brasileiras atuantes neste setor e tinham sua utilização preterida pelos investidores graças ao alto risco envolvido na compra deste título e à elevada tributação de seus rendimentos.

Nos termos da lei 12.431/2011, esses rendimentos tiveram suas alíquotas de imposto de renda reduzidas, de modo que aqueles auferidos por pessoa física ficam sujeitos à incidência de alíquota zero, enquanto os auferidos por pessoa jurídica ficam sujeitos à incidência de alíquota de 15% exclusivamente na fonte. Vale apontar, que a redução da alíquota é válida tanto para pessoas jurídicas isentas e submetidas ao regime do Simples Nacional, quanto para pessoas jurídicas que tenham regime de apuração pelo lucro real, presumido ou arbitrado. Para gozarem do benefício, basta que as debêntures se destinem ao custeio de investimentos em áreas prioritárias para o aprimoramento da infraestrutura no país, como por exemplo, energia, transporte, água e saneamento básico e irrigação.

As chamadas "debêntures de infraestrutura" beneficiarão investidores e as futuras concessionárias de serviços públicos. Para os investidores esses títulos de crédito passam a representar um investimento seguro e tão ou mais rentável que outras formas de investimento, como as aplicações em renda fixa. No caso das concessionárias, os seus custos de captação de recursos serão reduzidos e haverá mais uma opção para financiamento de seus projetos.

_________

* Milena do Espirito Santo é advogada da Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Sociedade de Advogados

Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques

___________

últimos artigos

Plano de parentalidade

Fernanda Amany Nicolai Honda e Camilo Luiz Barros

Ribeirinhos e a concepção de propriedade coletiva da yerra

Erika Cristiane Pinheiro de Melo e Walder Araújo de Oliveira

A desconsideração da personalidade jurídica no âmbito previdenciário: evolução da legislação até a MP da liberdade econômica

Cristiane I. Matsumoto e Lucas Barbosa Oliveira

Conexão: IA + Direito = Oportunidades?

Thiago Martins

Estupro virtual e sua possível tipificação penal

Fábio Presoti Passos e Raphael Luiz de Oliveira Nolasco