quinta-feira, 1 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

O pai é a mãe?!

Biologia molecular, engenharia genética, alimentos transgênicos, testes de DNA, genoma terapêutico e reprodutivo, são realidades que estão no dia-a-dia, trazendo as discussões ético-jurídicas em seu torno.

O pai é a mãe?!


Lindajara Ostjen Couto*

"Não creias impossível o que apenas improvável parece".

Shakespeare

Biologia molecular, engenharia genética, alimentos transgênicos, testes de DNA, genoma terapêutico e reprodutivo, são realidades que estão no dia-a-dia, trazendo as discussões ético-jurídicas em seu torno.

As questões éticas tomaram de assalto esses avanços e reclamaram a posição de paradigma para as decisões sobre o desenvolvimento das ciências humanas, quando estivessem envolvidas questões da vida. Daí a expressão bioética, ou ética da vida.

Nesse desdobramento surge o biodireito, que se preocupa em apresentar os indicativos teóricos e os subsídios da experiência universal para a elaboração da melhor legislação sobre as novas técnicas científicas, com vistas, em última instância, à salvaguarda da dignidade humana.

O que era improvável hoje é possível; previa William Shakespeare, em 1604-1605, Medida por medida, Ato V, Cena I: Lisbela.

Embriões, espermas e óvulos podem ser mantidos e preservados em processo de criopreservação. Isto possibilita que após a morte do doador do sêmen possa haver a fecundação da mulher, gerando um filho de alguém que já esteja morto.

O embrião fecundado post mortem não teria direito sucessório algum, pois não é pessoa concebida e nem, tampouco, pessoa nascida. Exceção faz o Código Civil no tocante ao embrião ainda não fecundado, cujo pai doador saiba de sua existência, e mediante testamento lhe dê o status de sucessor. Neste caso, o concepturo somente terá direito sucessório se houver cláusula testamentária neste sentido, e desde que venha a ser concebido no interregno de 2 (dois) anos, ou em outro de menor prazo indicado pelo testador.

Imagine, agora, que um sujeito reserve o seu material genético, o esperma. E realiza uma cirurgia de troca de sexo. Após, requer a retificação do Registro de Nascimento e obtêm o nome de mulher. Na seqüência, Ele (que agora é Ela) decide exercer a "maternagem", deseja um filho; e utiliza um dos métodos da Reprodução Humana Assistida. Para tal empreitada utiliza o seu material genético, aquele preservado antes da cirurgia de troca de sexo, e realiza a procriação com mãe de substituição, ou seja, uma das modalidades de "barriga de aluguel".

Este sujeito será a Mãe socioafetiva e o pai biológico da criança.

Assim, a Criança terá uma mãe biológica e gestacional e a Mãe socioafetiva que, em realidade, é o seu pai biológico...

Pode?

Pode, sim.
____________

*Advogada do escritório D' Osttjen - Família e Sucessões





____________

Atualizado em: 29/6/2005 10:36

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS VIP's

Júlio César Bueno

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Luís Roberto Barroso

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Lenio Luiz Streck

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Almir Pazzianotto Pinto

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Celso Cintra Mori

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Gilberto Giusti

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

René Ariel Dotti

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Selma Ferreira Lemes

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Jones Figueirêdo Alves

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011