terça-feira, 22 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Mudando para o concorrente

Uma empresa americana teria ajuizado uma ação perante um Tribunal com o objetivo de impedir que um dos seus ex-empregados integrasse o quadro da rival.


Mudando para o concorrente


Sylvia Romano*


Uma empresa americana teria ajuizado uma ação perante um Tribunal com o objetivo de impedir que um dos seus ex-empregados integrasse o quadro da rival.


A empresa alegou que o funcionário teria violado cláusula de não concorrência contida em contrato de trabalho com a empresa, onde ele trabalhou por longo tempo. A referida cláusula estabelece que ele não poderia trabalhar para competidores durante o período de um ano a partir de sua saída.


A ação menciona, ainda, que ao ingressar na concorrência o funcionário iria "revelar os principais segredos para a nova empresa".


Hoje não é difícil encontrarmos casos semelhantes no Brasil. A questão surge à medida que o conhecimento e a propriedade intelectual vão se tornando mais importantes do que o capital físico, e as empresas vêm-se forçadas a proteger este capital intelectual através de medidas extraordinárias.


Esta é uma situação cada vez mais comum e as empresas tentam proteger seu patrimônio por meio de medidas nos mais diversos ramos do Direito, como o da propriedade intelectual, o concorrencial e, até mesmo, o trabalhista.


O empregado que exerce função técnica altamente especializada ou cargo de direção acaba tendo acesso às informações confidenciais que constituem relevante patrimônio empresarial, tais como segredos industriais ou comerciais e estratégias de mercado ou marketing das empresas empregadoras.


É nesse contexto que se discute a restrição à prestação de serviços para outra empresa, concorrente do antigo empregador.

A validade das cláusulas no Brasil


Essa modalidade de cláusula de não concorrência teria validade no Brasil?


O dever de fidelidade está claramente disposto na CLT, segundo a qual "a negociação habitual, e a violação de segredo de empresa são hipóteses de faltas graves que autorizam a rescisão do contrato de trabalho por justa causa".


O que se questiona, porém, é sobre a validade da imposição de limitações ao trabalhador, uma vez extinto o contrato de trabalho, sendo que "o dever do trabalhador de abster-se de prestar serviços para a concorrência deve ser atrelado à vantagem financeira que justifique a obrigação, desde que observados alguns parâmetros e a previsão do beneficio que o empregado auferiria pela limitação a que fica submetido".


A legislação trabalhista protege o empregador da concorrência do empregado durante a relação de trabalho. Contudo, qual é a proteção do empregador após a extinção do contrato de trabalho? É válida a inserção de cláusula de não-concorrência inserta no contrato de trabalho?


Alguns argumentam que, terminado o contrato de trabalho, a cláusula de não-concorrência não teria mais validade. Entretanto, é sabido que algumas cláusulas do contrato de trabalho podem ter validade após a sua cessação.


Evitando Problemas

  • Após ter tomado a decisão de deixar a empresa, saia logo que possível;
  • Antes, porém, discuta a decisão apenas com aqueles que realmente precisam saber - o que não inclui clientes e sim o seu superior;
  • Antes de sair, não faça nada para desestabilizar ou depreciar a empresa. Não peça aos seus subordinados para o seguirem;
  • Não leve consigo quaisquer documentos ou informações que você ou os seus antigos colegas criaram durante o tempo em que estiveram trabalhando com seu ex-empregador;
  • Seja cuidadoso com os registros escritos e eletrônicos ligados ao seu trabalho. Registros telefônicos e fax, correio eletrônico, cópias de contas e extratos do cartão de crédito são passíveis de ser aceitos como prova em tribunal;
  • Só deverá assinar o novo contrato de trabalho depois da sua demissão;
  • Acorde com o seu novo empregador que este se responsabilizará por qualquer eventual litígio iniciado pelo seu patrão anterior na questão da transferência do conhecimento;

Inclua no acordo escrito com o seu novo empregador uma cláusula afirmando que não utilizará nem revelará quaisquer segredos comerciais dos seus empregadores anteriores. Mesmo se a informação só existir no seu intelecto, tenha cuidado com a forma como a utiliza no seu novo cargo.

_________________


*Advogada do escritório Sylvia Romano Consultores Associados








_________________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Almir Pazzianotto Pinto

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Marcos Augusto Perez

Marcos Augusto Perez

Migalheiro desde 2002

Roberto Podval

Roberto Podval

Migalheiro desde 2013

Renata Barbosa Fontes

Renata Barbosa Fontes

Migalheira desde 2017

Renato Cezar Corrêa

Renato Cezar Corrêa

Migalheiro desde 2003

Roberto Armelin

Roberto Armelin

Migalheiro desde 2002

Robson Maia Lins

Robson Maia Lins

Migalheiro desde 2007