quinta-feira, 1 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

A crise dos recursos hídricos continua e ninguém faz nada

Diante da previsão de seca, do aumento do consumo de água e das características do ciclo hidrológico, é necessário que em 2015 se administre melhor as águas brasileiras, com a adoção de práticas utilizadas mundo afora.

Notícias dão conta de que as chuvas de novembro em Minas e São Paulo contribuíram para elevar o nível das represas e do volume de alguns rios nesses Estados, o que gerou bastante otimismo. Só que precisa chover mais e por muito mais tempo. Pesa o fato de que choveu abaixo da média nos últimos 3 anos e, infelizmente, a previsão para 2015 é de mais seca.

Mas não é só a falta de chuvas que preocupa. Pesquisa realizada em novembro pelo site ReclameAqui em Parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, apontou que a má gestão e o desperdício são as principais razões para a crise de abastecimento de água em São Paulo. De fato, a crise não é só culpa de "São Pedro".

Na agricultura e nas indústrias o consumo de água não para de aumentar, paralelamente ao crescimento demográfico, e ao aumento do padrão de vida que exige uma quantidade maior de água de boa qualidade. Se isso já não bastasse, a explosão demográfica tem causado muita poluição, em razão do derramamento de substâncias tóxicas, de dejetos, de resíduos sólidos, e de todo tipo de sujeira e detritos nos rios.

Além disso, alguns brasileiros ainda insistem em desperdiçar as águas, lavando seus carros e calçadas com mangueira, jogando fora um recurso precioso. A consciência a esse respeito é muito pequena, e também por isso, o descaso e os maus hábitos continuam a se perpetuar. O desperdício médio nas cidades de brasileiras é 4 vezes maior do que em cidades de outros países.

Diante da previsão de seca, do aumento do consumo de água, das características do ciclo hidrológico e suas limitações, é necessário quem 2015 se administre melhor as águas brasileiras, com a adoção de práticas adotadas por mundo afora.

Entre os exemplos no combate a crise dos recursos hídricos está o Estado norte-americano da Califórnia. 2014 foi o 3º ano mais seco da história desse Estado nos últimos 110 anos, resultando em medidas contundentes, tais como a declaração de Estado de Emergência, redução da pressão da água durante a noite, bônus de 30% na conta para que economizar no consumo e multa para quem desperdiçar água. Quem lava calçada com água potável na Califórnia pode ser multado em até 500 dólares por dia e não é apenas ameaça. Desde abril, a cidade californiana de Santa Bárbara já arrecadou mais de 1 milhão de dólares em multas, sendo possível acessar, em tempo real, informações sobre desperdício de água e conferir o nível dos reservatórios da Califórnia. Em uma analogia possível, o poder Público Brasileiro poderia criar um sistema de dados com informação atualizada de medição de consumo de água, permitindo-se acesso, em tempo real, à quantidade gasta por todos brasileiros no território nacional.

A gravidade da crise e as diversas alternativas para combatê-la são amplamente conhecidas pelos responsáveis por administrar o sistema de abastecimento de água. Se é assim, por que não se faz nada ou por que se faz tão pouco? O correto seria que os gestores públicos viessem pessoalmente a público, em rede nacional, explicando a gravidade da crise, chamado a população para um consumo mais consciente da água, tal como fez o Governador da California Edmund G. Brown, que declarou "estado de emergência", o que lhe permitiu algumas atitudes bem duras, tudo para preservar ao máximo o abastecimento de água. Uma coisa é certa, se não houver mudança, a seca de 2015 será contudente, faltará água nos pratos, nos copos, dos brasileiros.

_______________________

*Leandro Eustaquio é coordenador do Departamento de Direito Ambiental do Décio Freire e Associados.

___________

Atualizado em: 9/12/2014 04:20

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Alice Aquino Delgado

Alice Aquino Delgado

Migalheira desde 2019

Fabio Martins Di Jorge

Fabio Martins Di Jorge

Migalheiro desde 2011

Milena Fório

Milena Fório

Migalheira desde 2018

Arthur Prado

Arthur Prado

Migalheiro desde 2018

Gustavo Silva de Aquino

Gustavo Silva de Aquino

Migalheiro desde 2017

Miguel Zaim

Miguel Zaim

Migalheiro desde 2018

Thiago Meyrelles

Thiago Meyrelles

Migalheiro desde 2017