quarta-feira, 14 de abril de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O que advogados podem aprender com designers?

Como resposta a esta indagação surgiu uma ferramenta hoje muito utilizada por empreendedores e bastante versátil, que merece e deve ter seu devido destaque, chamada de design thinking.

terça-feira, 30 de abril de 2019

Não é de hoje que o mercado jurídico brasileiro, apoiado em uma atuação segregada, com completa separação de matérias e de atuações entre seus profissionais, dá sinais de esgotamento, avolumando-se advogados que não conseguem colocação por não enxergarem para além do seu campo de atuação.  

Nessa linha, tornam-se essenciais mecanismos que permitam uma atuação jurídica macro, que consiga entender a completude da operação para a qual se presta determinada assessoria, especialmente no ramo da consultoria empresarial, com serviços que efetivamente agreguem valor, tornando-se investimento e não despesa.

Sob essa ótica, compete ao operador do direito se reinventar e utilizar de ferramentas que estejam em confluência com as novas práticas de mercado, deixando para trás o que W. Chan Kim e Rennée Mauborgne chamam de "Oceano Vermelho", isto é, ambientes de competição tradicionais, com pouca margem de atuação e trava de ingresso de novos players, com mínima ou inexistente inovação, seja no modelo de negócios ou tecnologia relacionadas.

Assim, cabe ao advogado "destruir" os conceitos e formas tradicionais de trabalho para conseguir trazer soluções que se ajustem aos novos tempos, criando segmentos e novas linhas de ação.

Porém, como fazer isso? Para construção desse formato de trabalho não é necessário "reinventar a roda", mas observar soluções já existentes. É nesse cenário que surge a pergunta: o que advogados podem aprender com designers?

Como resposta a esta indagação surgiu uma ferramenta hoje muito utilizada por empreendedores e bastante versátil, que merece e deve ter seu devido destaque, chamada de design thinking. Isto é, o processo de pensar como designers, que invariavelmente chegam a soluções para problemas comuns, sempre tendo como centro o indivíduo e seus anseios.

Trazendo esta percepção para o mundo jurídico, trata-se do processo de pensar soluções, possibilidades, serviços para situações rotineiras, estabelecendo uma forma inovadora de convergir interesses. Esse processo pode ou não estar atrelado a alguma tecnologia, como é o caso de legaltechs.

Como parte integrante dessa nova visão de mundo, as fases de implementação de soluções compreendem: inspiração, com estudo do problema e pesquisas; ideação, com brainstorming de ideais e soluções aplicáveis; experimentação, com a adequação de uma percepção ao ordenamento e mecanismos jurídicos existentes, tirando-a do papel; e a implementação, que é a efetiva apresentação da resposta.

Cuida-se, portanto, de um processo de análise aprofundada da situação até se chegar a um produto final, passível de aplicação prática e de venda como solução jurídica. Ou seja, percepção de "dentro para fora".

Esse tipo de processo permite maior número de compreensões de uma mesma situação, trazendo uma solução que se acopla a uma celeuma jurídica de forma inovadora, dando destaque ao profissional envolvido, que foi capaz de compreender com maior precisão o cerne da questão a fim de resolvê-la.

Com isso, cria-se um diferencial, com serviços compatíveis ou mesmo superiores às expectativas de quem os contrata, saindo da vala comum, ingressando em um nicho de mercado promissor e bastante específico, o chamado "Oceano Azul".

Dito isso, não só advogados, mas profissionais dos mais diversos ramos podem e devem aprender com designers, tornando-se capazes de entregar melhores resultados quando mudam seu mindset1 e focam no modelo de negócios de seus clientes, oxigenando um ramo que até então parecia saturado, como é o caso da advocacia. 

__________

1 Configuração, direcionamento mental.

__________

*Paolla Ouriques é advogada no escritório Azevedo Sette Advogados.

Atualizado em: 30/9/2019 15:46

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade