quarta-feira, 21 de abril de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A crise do coronavírus e a força da Recuperação Judicial

Lívia Maria Machado F. Queiroz

É preciso aproveitar as oportunidades que a legislação oferece para que os empreendimentos possam permanecer em atividade.

quarta-feira, 6 de maio de 2020

t

O cenário momentâneo trouxe dificuldades para pequenas, médias e grandes empresas. Mesmo que as políticas públicas, as ações em saúde e todos os esforços da comunidade internacional contribuam para reduzir os impactos da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, as consequências serão inevitáveis. 

E isso não expressa um pessimismo. Pelo contrário, os empreendedores brasileiros estão esperançosos e batalhando pelos seus negócios. A vontade de prosperar é igual ou maior do que aquela observada no período antes da descoberta do COVID-19, mas os efeitos da paralisação de algumas atividades chegarão a todos. O empresariado deve esperar o pior ocorrer para tomar uma decisão? É certo que não. É preciso aproveitar as oportunidades que a legislação oferece para que os empreendimentos possam permanecer em atividade. 

A verdade é que ainda existem mecanismos capazes de salvaguardar as empresas nacionais, como a Recuperação Judicial (RJ), regulamentada pela lei 11.101, de 9 de fevereiro de 2005. E durante a pandemia, várias decisões de magistrados nacionais deram esperança a esses negócios. É o caso dos adiamentos de assembleias-gerais de credores; prorrogações da suspensão de execuções e arrestos de bens propostos por credores; proibições de fiscalizações por parte de administradores judiciais; medidas protetivas para impedir cortes no fornecimento de água, energia e gás encanado; e ainda possibilidades para parcelamentos e prorrogações de dívidas.

É certo que ninguém, nem mesmo os advogados, gostaria que os empresários estivessem nessa situação e pessoa alguma queria ver o mundo, consequentemente o Brasil, em meio a uma pandemia sem precedentes e que colocará em xeque negócios, empregos e a situação socioeconômica de milhões de brasileiros. É preciso pensar, porém, que, enquanto uma solução definitiva no campo da ciência não é encontrada, não dá para tampar o sol com a peneira.

A lei da recuperação judicial existe e a corrente ainda está a favor do empresariado. Apesar de não ser o cenário desejado por muitos, a RJ pode ser uma solução imediata e capaz de salvar empresas. É uma forma de preservar o patrimônio de uma vida toda e ainda beneficiar trabalhadores, com preservação de emprego e renda. Afinal de contas, a crise passa, mas os negócios podem permanecer sendo fonte de desenvolvimento para o país.

____________

*Lívia Maria Machado F. Queiroz é advogada especialista em Recuperação Judicial, associada ao escritório Mestre Medeiros - Advogados Associados.

t

 

Atualizado em: 6/5/2020 13:50

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade