quarta-feira, 23 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Há males que vem para o bem

A distância parece ter sido encurtada: até mensagens de áudio e vídeo têm sido aceitas em substituição ao despacho presencial. É o ideal? Talvez não, mas faz a máquina funcionar.

t

Pode parecer piegas, mas realmente acredito que há males que vem para o bem. Não faço pouco da dor que o mal traz, e preferia que não estivéssemos passando por esses tempos de pandemia e crise (o mal). Mas sou entusiasta dos frutos que estamos colhendo e ainda vamos colher em razão dele.

Como advogada, pincelarei o bem que o mal tem trazido ao mercado jurídico, sem nenhuma pretensão de esgotar todos os benefícios que temos visto, mas ao menos mencionar alguns, que impactam diretamente o escritório, as empresas e a prática do direito.

Antes, porém, não posso deixar de enaltecer a solidariedade e a humanidade vistos nestes tempos de pandemia, que confirmam o ditado título deste artigo.

Durante a pandemia, testemunhamos a valorização do advogado corporativo, as vantagens de negociar (frente a litigar), a inovação das escrituras digitais (que parecia algo muito longe de acontecer) e outros temas mais, todos benefícios do isolamento social, ainda que não advindos apenas dele, mas difundidos ou aprofundados durante o período, e já tratados nesta coluna.

Vemos um home office que veio para ficar. Alguns já tinham implantado ou dele usufruíam, mas todos se viram obrigados a implantá-lo ou adotá-lo da noite para dia. E deu certo! As relações e o convívio pessoal ainda devem ser muito valorizados e praticados (quando permitido) e, algumas vezes, são imprescindíveis ou preferíveis. Porém, isso não afasta o home office e suas vantagens: do lado pessoal, economia de tempo com deslocamentos, proximidade com a família, flexibilidade etc.; do lado da empresa ou escritório, economia com estrutura e, portanto, diminuição de custos fixos. Empresas e escritórios definirão suas políticas futuras para home office ou redesenharão, se necessário, as já existentes, em maior ou menor escala, mas a tendência é que seja adotado por todos.

Nos processos judiciais e arbitragens, experimentamos audiências por videoconferência, exceção e raridade aqui no Brasil em tempos anteriores. As plataformas digitais (Teams, Zoom etc.) têm se mostrado eficientes e seguras ferramentas para tanto e também para sustentação oral e despachos com juízes e desembargadores (isto sim nunca antes imaginado). A distância parece ter sido encurtada: até mensagens de áudio e vídeo têm sido aceitas em substituição ao despacho presencial. É o ideal? Talvez não, mas faz a máquina funcionar.

Torço para que saibamos aproveitar e extrair o máximo deste legado!

 ___________

*Elisa Junqueira Figueiredo é sócia fundadora do Fernandes, Figueiredo, Françoso e Petros Advogados, responsável pelas áreas de Direito privado com foco em contratos, contencioso cível, arbitragem, imobiliário, família e sucessões.

Atualizado em: 2/7/2020 07:18

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Rafael Robba

Rafael Robba

Migalheiro desde 2009

Rochelle Ricci

Rochelle Ricci

Migalheira desde 2015

Caio Marco Berardo

Caio Marco Berardo

Migalheiro desde 2006

Ellen Carolina da Silva

Ellen Carolina da Silva

Migalheira desde 2019

Mirna Cianci

Mirna Cianci

Migalheira desde 2006

Fernanda Schaefer

Fernanda Schaefer

Migalheira desde 2019

Carlos Henrique Abrão

Carlos Henrique Abrão

Migalheiro desde 2012

Adenisio Coelho Junior

Adenisio Coelho Junior

Migalheiro desde 2009