quinta-feira, 17 de junho de 2021

MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. STF declara que não é possível divisão de pensão por morte entre cônjuge e companheiro (a)

Publicidade

STF declara que não é possível divisão de pensão por morte entre cônjuge e companheiro (a)

Para que se possa ter direito a pensão por morte é necessário que o falecido possua qualidade de segurado, ou seja, manter vínculo com o INSS seja através de contribuições, seja através de recebimento de benefício como aposentadoria.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2020

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

A pensão por morte é um benefício previdenciário devido aos dependentes do segurado, dependentes estes estabelecidos em lei, quais sejam: cônjuge, companheiro, filhos e equiparados menores de 21 (vinte e um) anos ou inválidos, pais que comprovem a dependência econômica ou irmãos que comprovem dependência econômica e idade inferior a 21 (vinte e um) anos, inválido ou deficiente.

Importante ressaltar que há direito de preferência por classes, ou seja, cônjuge, companheiro e filhos tem preferência sobre as demais classes, sendo os irmãos a última classe a ser atendida, no caso de inexistência das demais.

Assim, para que se possa ter direito a pensão por morte é necessário que o falecido possua qualidade de segurado, ou seja, manter vínculo com o INSS seja através de contribuições, seja através de recebimento de benefício como aposentadoria.

Ressalta-se que tanto para reconhecimento do direito do cônjuge ou companheira é necessário comprovar o casamento ou União Estável na data do óbito do segurado, sendo presumida a dependência econômica do cônjuge, companheiro e filho, devendo ser comprovada nas demais classes.

Vale lembrar que a pensão por morte poderá ser rateada entre companheira e ex-cônjuge nos casos em que há comprovado pagamento de pensão alimentícia durante a vida do segurado à ex-cônjuge, seja por conveniência pelas partes, seja por decisão judicial.

Diante do conceito amplo de União Estável, algumas situações foram levadas à discussão nos Tribunais tais como a possibilidade ou não de divisão da pensão por morte entre cônjuge e companheira.

Em recente decisão o STF definiu de forma clara que amantes não possuem direito a divisão de pensão por morte com cônjuge dos segurados falecido, a decisão foi 6 votos contra e 5 a favor da possibilidade de reconhecimento de união estável concomitante com o casamento.

Importante destacar que a discussão de pano de fundo foi um pedido de pensão por morte por comprovada união estável com o segurado, alega-se que havia boa-fé e que por tal razão a pensão deveria ser dividida entre companheira e cônjuge, em primeira instância houve reconhecimento do direito da companheira.

No entanto, o tribunal de Justiça de Sergipe afastou o reconhecimento da amante em ter a pensão por morte, a discussão chegou ao STF através de Recurso Extraordinário em que se reconheceu a repercussão geral, o que significa dizer que deverá ser aplicado aos demais casos em discussão.

O debate foi levado ao STF com o intuito de que a Corte decidisse se seria possível o reconhecimento de uma União Estável concomitantemente com um casamento, vez que se trata de questão constitucional.

Por maioria de votos entendeu-se que não seria viável o reconhecimento de duas relações concomitantes em razão dos ideais monogâmicos existentes em nosso ordenamento jurídico.

Desta forma, diante da recente decisão, na esfera previdenciária, mais especificamente com relação à pensão por morte, não será possível a divisão dos valores entre cônjuge e companheira, sendo possível tão somente o rateio entre companheira e ex-cônjuge que já recebia a pensão do segurado em vida.

Atualizado em: 17/12/2020 08:09

Renata Só Severo

Renata Só Severo

Advogada, bacharel em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Pós-graduada em Direito do Consumidor. Pós-graduanda em Direito Previdenciário pela EPD. Sócia e responsável pela área de Previdenciário do escritório Vilhena Silva Advogados.

Vilhena Silva Advogados

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade