sexta-feira, 16 de abril de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Educação infantil à distância em meio à pandemia: Inovação ou desafio?

Em virtude da obrigatoriedade do isolamento social, foi necessário que as instituições de ensino públicas e privadas se reinventassem, implementando modalidades de atividades educacionais diferenciadas.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

A covid-19, decretada como pandemia em 11/3/20 pela Organização Mundial de Saúde (OMS)1, necessitou de medidas emergenciais dos países em todos os setores, principalmente na esfera educacional.

Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), diante da pandemia, até meados de julho de 2020, as escolas estavam fechadas em mais de 160 países, afetando mais de 1 bilhão de estudantes. António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, afirmou que a pandemia da covid-19 levou à maior interrupção da educação da história, e que pelo menos 40 milhões de crianças em todo o mundo perderam meses importantes de educação "em seu crítico ano de pré-escola".2

No Brasil, o Ministério da Educação (MEC) com o intuito de orientar as instituições de ensino durante a pandemia, homologou um conjunto de diretrizes, aprovado pelo Conselho Nacional da Educação (CNE), para nortear instituições de ensino da educação básica e superior a respeito das práticas educacionais que deveriam ser adotadas. Importante ressaltar que a educação básica compreende a educação infantil, o ensino fundamental obrigatório de nove anos e o ensino médio.3

O documento elaborado pelo CNE recomendou uma série de atividades não presenciais que estão sendo utilizadas pelas redes de ensino durante a pandemia, tais como: videoaulas, plataformas virtuais, redes sociais, programas de televisão e rádio e material didático impresso entregue aos responsáveis, foram algumas das alternativas possíveis.

No início do período de calamidade pública, foi desafiadora a descoberta de maneiras de utilizar a tecnologia de modo acolhedor e sem prejuízos para o desenvolvimento da primeira infância.

A formação deficitária dos professores para utilizar a tecnologia na educação, a falta de equipamentos tecnológicos e condições precárias de saneamento básico foram alguns dos diversos empecilhos para a educação remota e à distância durante a pandemia.

Todavia, o acesso às tecnologias também ocasionou grande impasse nas ações que foram desenvolvidas com as crianças, sobretudo às de famílias menos favorecidas, haja vista que 30% dos lares brasileiros não têm acesso à internet, segundo dados do levantamento "TIC Domicílios 2019", formulado pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic).4

O artigo 80 da lei 9.394/96 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, também conhecida como LDB, estabelece que: "O Poder Público incentivará o desenvolvimento e a veiculação de programas de ensino a distância, em todos os níveis e modalidades de ensino, e de educação continuada."5 Assim, conforme os dizeres do disposto no artigo 1º do decreto 9.057/17, que regulamenta a LDB, a educação a distância é a "modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorra com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com pessoal qualificado, com políticas de acesso, com acompanhamento e avaliação compatíveis, entre outros, e desenvolva atividades educativas por estudantes e profissionais da educação que estejam em lugares e tempos diversos."6

Com isso, o artigo 9º do já mencionado Decreto, regulamenta as situações excepcionais onde não há possibilidade do ensino presencial:

"A oferta de ensino fundamental na modalidade à distância em situações emergenciais, previstas no § 4º do art. 32 da lei 9.394, de 1996 , se refere a pessoas que:

I - estejam impedidas, por motivo de saúde, de acompanhar o ensino presencial;

II - se encontrem no exterior, por qualquer motivo;

III - vivam em localidades que não possuam rede regular de atendimento escolar presencial;

IV - sejam transferidas compulsoriamente para regiões de difícil acesso, incluídas as missões localizadas em regiões de fronteira; ou

V - estejam em situação de privação de liberdade."

Considerando que no Brasil a Educação Infantil só é obrigatória para crianças a partir dos 4 anos de idade, foi necessário elaborar medidas condizentes com a realidade delas, visando o melhor aproveitamento e desempenho das atividades a elas direcionadas, promovendo a integração da família nos processos remotos e pedagógicos, bem como teatros de fantoches, pinturas, historinhas, entre outros.

Nesse momento de incertezas, as crianças estão mais desinquietas e fragilizadas em razão da ausência dos coleguinhas da escola, demandando maior atenção dos familiares.

Contudo, é necessário reconhecer os esforços realizados pelos professores na organização de atividades durante esse período emergencial, para que as crianças conseguissem seguir com uma rotina de estudos e de aprendizados. Além disso, tiveram que se desdobrar para alcançar o aprendizado no quesito desse "novo normal", tentando manter o nível de desenvoltura de uma sala de aula e de alguma forma despertar o interesse dos alunos, que para Jean Piaget (1896-1980), um dos grandes colaboradores da Pedagogia, é o de estimular a procura do conhecimento.7

Por fim, frente ao cenário de complexidade vivido neste período de calamidade pública, é importante a união de familiares, educadores e autoridades de saúde para pensarem em soluções eficazes a fim de não comprometer a vida das crianças ao risco da contaminação pelo vírus da Covid-19, de modo a continuar oferecendo a educação adequada para o desenvolvimento delas.

_________

1 MOREIRA, Ardilhes; PINHEIRO, Lara. OMS declara pandemia de coronavírus. 2020. Disponível clicando aqui. Acesso em: 17 jan. 2021.

2 DW. COM. Pandemia causou maior interrupção da educação da história, diz ONU. 2020. Disponível clicando aqui. Acesso em: 28 jan. 2021.

3 Governo do Brasil. MEC orienta instituições sobre ensino durante a pandemia. 2020. Disponível clicando aqui. Acesso em: 27 jan. 2021.

4 TENENTE, Luiza. 30% dos domicílios no Brasil não têm acesso à internet; veja números que mostram dificuldades no ensino à distância. 2020. Disponível clicando aqui. Acesso em: 27 jan. 2021.

5 BRASIL. Lei 9.394, de 20 de Dezembro de 1996. Disponível clicando aqui. Acesso em: 28 jan. 2021.

6 BRASIL. Decreto 9.057, de 25 de Maio de 2017. Disponível clicando aqui. Acesso em: 28 jan. 2021.

7 FERRARI, Márcio. Jean Piaget, o biólogo que colocou a aprendizagem no microscópio. 2008. Disponível clicando aqui. Acesso em: 28 jan. 2021.

Atualizado em: 29/1/2021 13:41

Luciana de Fátima Eufrásio

VIP Luciana de Fátima Eufrásio

Bacharela em Direito pelo Centro Universitário de Viçosa - UNIVIÇOSA. Pós-graduanda em Direito de Família pelo Instituto Pedagógico Brasileiro - IPB. Mestranda em Economia Doméstica pela UFV.

Anaciole Magalhães Moreira Paes

Anaciole Magalhães Moreira Paes

Graduanda em Pedagogia pela Faculdade Presidente Antônio Carlos (FUPAC).

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade