domingo, 13 de junho de 2021

MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. PL 2.963/19 e a aquisição de terras brasileiras por estrangeiros

Publicidade

PL 2.963/19 e a aquisição de terras brasileiras por estrangeiros

Após aprovação pelo Senado Federal, o PL foi encaminhado para revisão a Câmara dos Deputados seguindo posteriormente para sanção ou veto presidencial, que acenou publicamente para o veto.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

(Imagem: Arte Migalhas.)

(Imagem: Arte Migalhas.)

Nos últimos dias, muito tem se falado sobre a aprovação do PL pelo Senado Federal que modifica o atual regime de aquisição de imóveis rurais por estrangeiros.

Para ajudar a conhecer um pouco sobre a história dessa discussão que já dura mais de 50 anos, de forma bastante objetiva, mas não desrespeitando a atenção que o tema merece, importante se faz esclarecer o motivo da criação de normas que regulamente essas operações feitas por estrangeiros em território brasileiro.

Em 1967, no intuito de apurar as irregularidades da venda de terras brasileiras a pessoas físicas e jurídicas estrangeiras, foi instaurada uma CPI a requerimento do hoje falecido deputado Federal Márcio Moreira Alves.

Concluída a CPI, um Relatório sobre a investigação foi criado no qual apurou-se o cometimento de inúmeros crimes por estrangeiros, como grilagem, contrabando de madeira, exploração de minério sem as devidas autorizações da época e até roubo de documentos de velhas igrejas, dentre vários outros (Fonte: Resolução 94/70, de 1º de julho de 1970).

Trata-se de um extenso documento com uma relevância histórica inestimável para as discussões atuais, que deveria ser lido pelos parlamentares que estão discutindo e votando o atual PL 2.963/19.

Em decorrência da CPI foi editada lei 5.709/71 a qual está vigente até hoje e que regula a Aquisição de Imóvel Rural por Estrangeiro Residente no País ou Pessoa Jurídica Estrangeira Autorizada a Funcionar no Brasil.

De acordo com a legislação atual, poderá adquirir terras brasileiras: a) Pessoas naturais (estrangeiros residentes no Brasil e cadastrados no Registro Nacional de Estrangeiros); b) Pessoas jurídicas estrangeiras (com autorização para funcionar no Brasil) e c) Pessoa jurídica brasileira constituída ou controlada por estrangeiros, respeitando a quantidade dos Módulos de Exploração Indefinida (MEI), que varia entre 5 e 100 hectares de acordo com região e município em que a propriedade está localizada.

Para pessoas naturais regulamenta-se que a aquisição de até 3 MEI não demandará autorização do Incra (exceto quando o imóvel estiver em faixa de fronteira ou se for uma segunda aquisição); acima de 3 MEI e até 20 MEI, é necessária a autorização do Incra e acima, até no limite de 50 MEI, além da autorização do Incra será necessário apresentar um projeto de exploração da área.

Já para as Pessoas Jurídicas e brasileiras equiparadas, a aquisição de até 100 MEI, demanda autorização do Incra e apresentação de projeto de exploração da área. Acima de 100 MEI, será necessária a apresentação de um projeto de exploração da área e autorização do Congresso Nacional.

Além destes limites para aquisição, devem ainda serem respeitados os limites territoriais impostos, os quais fixam que a soma total das áreas rurais adquiridas não pode ultrapassar 25% da superfície territorial do município de localização do imóvel rural e que pessoas estrangeiras de mesma nacionalidade não podem ser proprietárias de mais de 10% da superfície territorial de cada município.

Para o Senador Irajá (PSD-TO) relator do projeto, cujo o nítido intuito é facilitar a "venda do Brasil" para estrangeiros, a sanção do PL abrirá as portas do país para novos investimentos.

De acordo com o PL apresentado pelo Senado, que revoga na totalidade a atual legislação vigente (que é mais restritiva), nós temos três mudanças prejudiciais: a) A possibilidade de pessoas jurídicas brasileiras equiparadas (capital social controlado por estrangeiros) não sofrerem as restrições impostas às pessoas físicas e jurídicas estrangeiras; b) pessoas físicas e jurídicas estrangeiras podem adquirir até 15 módulos fiscais, o que corresponderia na nossa região de Rio Verde a 450 hectares (área varia a depender do município) de forma livre, sem necessidade de autorização do Incra ou outro órgão público, retirando também a exigência de apresentação de projetos de exploração da terra e c) convalida aquisições realizadas irregularmente durante a vigência da lei atual (Art. 21 do PL 2.963/2019).

Permanecem inalterados os limites atuais tanto para compra quanto arrendamento, que são 25% da superfície de cada município, com a restrição de 10% da área total para cada nacionalidade.

Por mais que a nossa CF/88 em seu artigo 190 determine que a lei regularize e limite "a aquisição ou o arrendamento de propriedade rural por pessoa física ou jurídica estrangeira e estabelecerá os casos que dependerão de autorização do Congresso Nacional", ao analisar o PL, questões nacionais importantes são esquecidas.

Estamos falando de segurança nacional, soberania alimentar, política pública e de um dos princípios mais importante que rege a atividade econômica brasileira, o da soberania nacional, previsto no artigo 170, inciso I da Carta Magna.

Em atenção a complexidade do tema e do que está em jogo, percebe-se que ao sugerir o PL, não houve uma preocupação em criar um regime regulatório consistente, preferindo assim uma abertura desenfreada do mercado de venda de terras rurais em meio à uma corrida global por terras aráveis, água, pastos, recursos minerais e biodiversidade.

Estamos falando de países com um grande poder aquisitivo, cuja a moeda chega a um patamar de valorização 5 vezes maior que o real, o que torna nossas terras bastante acessíveis ao resto do mundo.

Ao meu ver, apesar de entender que é necessário sim encerrar esta discussão sobre a regularização da aquisição de terras brasileiras por estrangeiros com uma legislação de acordo com a realidade que nós vivemos, o atual PL 2.963/2019 abre literalmente a porteira para que os estrangeiros, utilizando do seu poder aquisitivo superior, façam a festa em território brasileiro e assim nós "queimamos" o maior ativo que o Brasil tem, o solo.

Sempre que me questionam sobre esta situação, eu gosto de citar como exemplo o tratoraço realizado pelos produtores rurais do Estado de São Paulo, quando o atual Governador, João Dória, instituiu a cobrança de ICMS para insumos agrícolas. Precisamos unir forças e exigir que o poder legislativo cumpra com competência o seu papel e elabore um PL que não coloque em risco a nossa soberania e principalmente o agronegócio, pilar da nossa economia.

Após aprovação pelo Senado Federal, o PL foi encaminhado para revisão a Câmara dos Deputados seguindo posteriormente para sanção ou veto presidencial, que acenou publicamente para o veto.

Atualizado em: 18/2/2021 08:32

Antonio de Las Cuevas

Antonio de Las Cuevas

Advogado do Aibes Advogados Associados, especialista em Direito do Agronegócio.

Aibes Advogados Associados

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade