domingo, 18 de abril de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Regulatório: Anatel busca promover regulação de conceitos da Economia Comportamental

Dia 12 de março a Agência realizou um seminário para apresentar a pesquisa Comportamento e Consumo - Caminhos para entender o comportamento do consumidor de serviços de telecomunicações.

quinta-feira, 8 de abril de 2021

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Há algum tempo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vem empreendendo esforços na implementação do modelo responsivo de regulação. A regulação responsiva tem por características a execução que considera o contexto do mercado, as consequências das intervenções e o ideal de desenvolvimento da cooperação entre os agentes. Então, buscando atualizar o método de organização, controle e fiscalização do mercado de telecomunicações, atenta à realidade que se impôs disruptiva e considerando que o modelo ainda aplicado vem da década de 90 do século passado, a Anatel coloca em curso diversas ações, tais como, a revisão de regulamentos e a realização de estudos setoriais.

Foi neste contexto que no dia 12 de março a Agência realizou um seminário para apresentar a pesquisa Comportamento e Consumo - Caminhos para entender o comportamento do consumidor de serviços de telecomunicações.

A pesquisa foi empreendida pela Anatel em parceria com o IBICT (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia) e contou com o apoio da Universidade de Brasília. O estudo recebeu respostas aos questionários devolvidos por 11 agentes de mercado, dentre eles algumas das principais operadoras de telecomunicações brasileiras. O modelo aplicado ao projeto de pesquisa procurou avaliar o comportamento dos três agentes de mercado: consumidor, empresa regulada e regulador. O trabalho foi executado durante 2 anos e foram analisadas 11 milhões de reclamações. Isso tudo foi feito tentando ampliar o conteúdo das reclamações para capturar não apenas a sua causa imediata, como também outras que, porventura, fossem fatores de motivação para a insatisfação do consumidor usuário dos serviços.

Para execução do projeto foram utilizadas tecnologias atuais, em especial o aprendizado de máquina, usado na para a mineração e estruturação dos dados analisados, de forma supervisionada, sendo capaz de classificar causas múltiplas e novas para as reclamações avaliadas.

Mas a finalidade da pesquisa não foi apenas entender as reclamações, houve também a intenção de identificar e analisar as boas práticas, mensurar pontos positivos e eventualmente negativos. O objetivo é orientar o mercado na aplicação mais aderente para o alcance da melhoria do nível de satisfação do consumidor na experiência como usuário.

Sobre os entregáveis, o estudo se dividiu em duas vertentes, a primeira, Estudo A, classificou as reclamações. A segunda, Estudo B, aplicou as variáveis de análise do histórico de aprendizagem e de cenário.

A partir do Estudo A foi possível aferir as principais causas de reclamações, conforme quadro abaixo, extraído da apresentação da Anatel/IBICT. É importante observar que como há causas múltiplas os volumes apresentados superam os 11 milhões em reclamações avaliadas.

(Imagem: Divulgação)

(Imagem: Divulgação)

O Estudo B, por sua vez, traz a inovação analítica com a consideração de contextos externos e próprios para uma avaliação pautada na economia comportamental, permitindo uma análise que pode ser preditiva e indicar soluções diferentes para conceitos semelhantes em cenários diversos, conforme figura abaixo, também extraída da apresentação do projeto.

(Imagem: Divulgação)

(Imagem: Divulgação)

Neste contexto, a pesquisa foi capaz de concluir que a satisfação do usuário tem dimensões diversificadas. Uma, que passa pela percepção de qualidade do serviço principal. E, outras que perpassam serviços suplementares, como qualidade de informação, qualidade de atendimento e qualidade de cobrança (incluída a recarga no caso de serviço pré-pago).

Na análise do comportamento do consumidor tomou-se em consideração cenários outros tais como o nível de escolaridade, variedade de canais de atendimento utilizados e realização de reclamações antecedentes. Outro fator considerado foi a existência de concorrência na região. Todos estes fatores, analisados em conjunto, sem dúvida, são capazes de influenciar o comportamento do consumidor e isso pode ajudar na calibragem do índice de satisfação e prever intervenções que podem ser mais ou menos aderentes a determinados perfis de clientes.

Já as boas práticas, consideradas como tais pelo Projeto, são aquelas sistemicamente programadas pelas operadoras para maximizar, para o consumidor, a produção de consequências reforçadoras ou minimizar as aversivas. De modo sintético as boas práticas devem atingir a quatro finalidades, são elas: 1. Proporcionar acesso do consumidor aos benefícios (incluindo, especialmente, entregar fielmente a oferta);  2. Reduzir a ocorrência de conflitos na relação de consumo (meios alternativos de solução e ações preventivas); 3. Proporcionar liberdade de escolha ao consumidor (reforço ao fácil acesso à informação para que a tomada de decisão seja consciente); e,4. Melhorara interação para solução de problemas (diversificar canais de acesso para atendimento).

A consolidação do trabalho está publicada no Caderno de Boas Práticas de Relacionamento com o Consumidor de Telecom, que está disponível na internet. Lá está bem descrito o modelo adotado, denominado BAAR (Behavioral-Analytical Approach to Regulation), que vem a ser um modelo analítico-comportamental muito adequado para a implementação da regulação responsiva, já que ela é orientada para a solução de problemas e estes são resultado da apreensão e julgamento, pelos destinatários, de condutas práticas realizadas por interação.

A partir deste modelo foi viável a análise da jornada do consumidor e a identificação dos momentos nos quais a prática impacta na experiência do cliente. Para tal análise a jornada identificada se subdividiu em "Jornada de Vendas", integrada pela oferta e pela contratação; e em "Jornada de Serviços", que alcança a utilização, o faturamento e o atendimento e solução.

O consumidor, representado por pesquisadores treinados, teve participação pela prática da ferramenta "Cliente Oculto", o que permite a análise da experiência em bases reais. De todo o contexto foram identificados elementos de insatisfação, tais como: falta de opção e flexibilidade nas ofertas, site pouco intuitivo, impaciência e despreparo do atendente, chat ineficiente, demora e lentidão no atendimento, dentre outros. Por outro lado, alguns dos elementos de satisfação descobertos estão na praticidade de atendimento, ouvidoria rápida, atendimento personalizado, site organizado, programa de fidelidade e linguagem explicativa.

Com esta breve exposição de dados realizada por oportunidade no seminário também se poderia cogitar que os problemas apontados, em grande parte, são interrelacionados, de modo que a partir de uma análise de Pareto seria possível encaminhar soluções para causas que sistematicamente teriam reflexos em outras, como, por exemplo, a Cobrança Indevida sobre o Cancelamento. No caso da oferta, a clareza tende a aumentar o conforto do usuário que terá uma entrega de serviço eficiente, não sofrerá frustrações e não teria razão para reclamar de Problema com o plano ou de Cobrança indevida, por exemplo.

Na mesma linha está a contextualização promovida que permite agregar variável essencial para a implementação da regulação responsiva, a diversidade de cenários e incentivos no resultado do comportamento do consumidor. Além disso, o benchmarking que o regulador promove tende a induzir que as boas práticas sejam replicadas e que as aversivas sejam descontinuadas, o que por si só é um ganho imenso.

A regulação responsiva, isso é importante ressaltar, é atenta à consideração dos fatos, dados e consequências. Ela analisa os antecedentes dos agentes, também a conduta (se colaborativa ou evasiva) e, ainda, promove a eficiência, não sendo refratária ao seu alcance por soluções simples, baratas ou inovadoras e, como finalidade primordial, a regulação responsiva, aplicada ao setor de telecomunicações, pretende desenvolver a satisfação do consumidor dos serviços. E este objetivo é mais bem ordenado com base em estudos e análises que possam permitir avaliação multidisciplinar e multifocal.

Assim, não se pode deixar de apoiar a iniciativa da Anatel no investimento de soluções fundadas em análises profundas e técnicas, construídas com colaboração multidisciplinar e com a participação conjunta dos agentes de mercado (regulador, regulado e consumidor).

Atualizado em: 8/4/2021 12:27

Alexandre Almeida da Silva

Alexandre Almeida da Silva

Mestrando em Direito Público pela FGV/SP. Especialista em Direito Privado Patrimonial pela PUC/RJ. Graduado em Direito pela UFRJ. Sócio da área Regulatória do escritório Morais Andrade Leandrin Molina Advogados.

Morais Andrade Leandrin Molina Advogados

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade