MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Impactos da regulamentação de obrigação (nacional) de declaração padronizada do ISSQN, para empresas prestadoras de serviços

Impactos da regulamentação de obrigação (nacional) de declaração padronizada do ISSQN, para empresas prestadoras de serviços

Tanto a lei complementar 175/20 quanto a resolução CGOA 4/22, não possuem efeito prático de aplicabilidade imediata restando prejudicadas as determinações nelas previstas até que o STF se pronuncie a respeito no julgamento da mencionada ADI.

quarta-feira, 25 de maio de 2022

Atualizado às 09:11

A CNM -  confederação nacional de municípios publicou em 13/5/22 a Resolução CGOA  4/22, em regulamentação ao disposto na LC 175/20, que trouxe alterações relativas aos seguintes serviços:

4.22 - Planos de medicina de grupo ou individual e convênios para prestação de assistência médica, hospitalar, odontológica e congêneres.

4.23 - Outros planos de saúde que se cumpram através de serviços de terceiros contratados, credenciados, cooperados ou apenas pagos pelo operador do plano mediante indicação do beneficiário.

5.09 - Planos de atendimento e assistência médico-veterinária.

10.04 - Agenciamento, corretagem ou intermediação de contratos de arrendamento mercantil (leasing), de franquia (franchising) e de faturização (factoring).

15.01 - Administração de fundos quaisquer, de consórcio, de cartão de crédito ou débito e congêneres, de carteira de clientes, de cheques pré-datados e congêneres.

15.09 - Arrendamento mercantil (leasing) de quaisquer bens, inclusive cessão de direitos e obrigações, substituição de garantia, alteração, cancelamento e registro de contrato, e demais serviços relacionados ao arrendamento mercantil (leasing).

A referida lei complementar veio estabelecer obrigação acessória somente para as empresas que prestam esses serviços, no sentido da necessidade de adaptação dos sistemas de recolhimento devendo ser apurado pelo contribuinte e declarado por meio de sistema eletrônico de padrão unificado em todo o território nacional.

Como previsto, esse sistema seguirá leiautes e padrões definidos pelo CGOA - Comitê Gestor das Obrigações Acessórias do ISSQN e cabe ao contribuinte franquear aos Municípios e ao Distrito Federal acesso mensal e gratuito ao sistema eletrônico de padrão unificado utilizado para cumprimento da obrigação acessória padronizada e aos Municípios e ao Distrito Federal fornecer as informações diretamente no sistema eletrônico do contribuinte, conforme definições do CGOA.

Os Municípios e o Distrito Federal terão até o último dia do mês subsequente ao da disponibilização do sistema de cadastro para fornecer as informações sendo vedada a imposição de penalidades ao contribuinte em caso de omissão, de inconsistência ou de inexatidão de tais dados.

Assim, através da Resolução CGOA 4/22, foi regulamentada a obrigação acessória de declaração das operações de prestação de serviços incidente sobre as citadas atividades, que deverá ser entregue mensalmente, até o dia 25 do mês, pelos contribuintes e responsáveis pelo recolhimento do ISSQN, através de sistema eletrônico de padrão unificado em todo território nacional, que contenha as funcionalidades e observe os leiautes e os parâmetros definidos na Resolução, previamente homologado pelo CGOA.

Ocorre que, segundo nosso entendimento, para aplicabilidade, tanto da LC 175 quanto da Resolução em comento, consideramos que deverá ser revogada a liminar do STF concedida na ADI 5835.

A ação 5835 foi proposta pela Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif) e pela Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (Cnseg) visando questionar dispositivos da lei complementar LC 116/03 alterados pela LC 157/16, objetivando suspender os efeitos relativos ao local de incidência do Imposto Sobre Serviços (ISS), diante da dificuldade na aplicação da nova legislação, com ampliação dos conflitos de competência entre municípios e afronta ao princípio constitucional da segurança jurídica.

A liminar suspendeu os efeitos da descentralização do ISS indicado na lei complementar 157/16 e, portanto, a norma não teria efeito para o momento. A decisão suspende também, por arrastamento, a eficácia de toda legislação local editada para complementar a lei nacional.

Estando vigente, portanto, a decisão liminar na ADIn 5.835, entende-se que, em relação aos serviços relacionados permanece mantida a regra geral do ente competente para a exigência deste imposto, sendo ela a do Município no qual se encontra o estabelecimento do prestador de serviços, prevista pelo artigo 3º da lei Complementar 116/03.

Nesse sentido, tanto a lei complementar 175/20 quanto a Resolução CGOA 4/22, não possuem efeito prático de aplicabilidade imediata restando prejudicadas as determinações nelas previstas até que o STF se pronuncie a respeito no julgamento da mencionada ADIn, sendo de extrema importância que os contribuintes se atentem para a possibilidade de prosseguimento desse julgamento, ou mesmo de eventual revogação da liminar.

Fabíola Paes de Almeida Ragazzo

Fabíola Paes de Almeida Ragazzo

Advogada e Consultora Tributária do escritório Ronaldo Martins & Advogados.

Ronaldo Martins & Advogados