MIGALHAS DE PESO

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Migalhas de peso >
  4. Profissionais com rótulos depreciativos: Violência naturalizada

Profissionais com rótulos depreciativos: Violência naturalizada

Apresenta uma reflexão sobre a atribuição de rótulos depreciativos no ambiente organizacional e suas consequências, genuínos danos existenciais.

segunda-feira, 10 de outubro de 2022

Atualizado às 14:35

Os rótulos que nos são impostos como juízo de desvalor se movem e reproduzem rapidamente, quase sempre, por meio de comentários cáusticos realizados de modo aparentemente despretensioso nas rodas de conversa informais. Esse modus é determinante para a ampliação do perímetro de contaminação social e naturalização da violência. É assim que perfis com características depreciativas são desenhados sem o protagonismo da pessoa-alvo, que se torna mero objeto de opressão.

O prejuízo à imagem profissional é significativo, impactando na manutenção do emprego, antes disso, na qualidade do meio ambiente de trabalho e suas relações periféricas. De fato, portas são fechadas e trajetórias são descontinuadas.

Instaura -se uma luta cotidiana para desconstruir essa imagem negativa, criada sem que a pessoa-alvo tenha qualquer responsabilidade sobre a sua produção, opressão que impõe o pesado fardo da busca continuada pela validação social de seu valor profissional (espiral do reconhecimento e da aceitação). 'Passa-se a existir em função das expectativas do outro', condição que denuncia a captura de subjetividade em andamento.

Ocorre que essa repercussão tende a ocasionar notada exaustão emocional, afetando demasiadamente a autoestima, autonomia profissional e convivência social. A mensagem subliminar de rejeição provoca feridas existenciais porque, para além da busca recorrente por reconhecimento e aceitação, firmam-se a carência afetiva e um sensível 'vazio de alma'.

Estamos falando sobre uma imagem que não se respalda na existência da pessoa ou reflete a sua realidade, mas tão somente a frustração das expectativas sociais de normalidade (ainda que a partir de parâmetros pessoais preconceituosos).

A régua social da opressão utiliza a exigência para suavizar e naturalizar a violência, que segue estruturalmente instalada, orientando a dinâmica das relações. O que se segue daí é sofrimento, nem sempre percebido, porque é abafado em nome de uma etiqueta que silencia e desumaniza.

O sofrimento é solitário, ainda que para os outros represente apenas telas e palavras distantes.

O sofrimento nutre-se do abandono e por isso o sofrimento é tão solitário.

O sofrimento é passagem. Mas, para quem sofre, o tempo do sofrimento é um tempo que não se controla. O sofrimento dura uma eternidade em uma janela de tempo. O sofrimento nutre-se do silêncio forçado e por isso o sofrimento é tão solitário.

Sem uma palavra escrita ou falada, entende-se que o sofrimento pertence a quem vive e não deve ser compartilhado e é por isso que afirmo, o sofrimento é tão solitário. (reflexão autoral)

A responsabilidade do ser humano é existir dignamente e é este propósito que devemos perseguir.

Yumara Lúcia Vasconcelos

VIP Yumara Lúcia Vasconcelos

Docente e pesquisadora da UFRPE, pós-doutora em Direitos humanos (UFPE), doutora em Administração (UFBA), especialista em Direito civil e em Filosofia e teoria do Direito (PUC MINAS).

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca