quarta-feira, 23 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

O consumismo dos emergentes

O consumismo é o sonho de todos os pobres e consumado por todos os emergentes sociais. Os verdadeiros ricos consomem pouco, pois já nasceram com tudo e de nada precisam para demonstrar status, ou melhor, não ostentam e nem necessitam se afirmar em cima de objetos, grifes e toda uma parafernália de coisas para demonstrar seu poder.


O consumismo dos emergentes

Sylvia Romano*

O consumismo é o sonho de todos os pobres e consumado por todos os emergentes sociais. Os verdadeiros ricos consomem pouco, pois já nasceram com tudo e de nada precisam para demonstrar status, ou melhor, não ostentam e nem necessitam se afirmar em cima de objetos, grifes e toda uma parafernália de coisas para demonstrar seu poder.

Acumular dá muito trabalho. Os ricos de dinheiro e de inteligência sabem bem que para ser feliz necessita-se de muito pouco. Rico gasta pouco, come pouco e, principalmente, nunca mostra o que tem. Para que ter um guarda-roupa com centenas de sapatos, vestidos, ternos, camisas, relógios, jóias e outras quinquilharias se só temos um corpo e, ainda, com curto prazo de validade? Para que ter vários endereços residenciais, carros, motos, fazendas, aviões, barcos, ou seja lá o que for, se nunca teremos tempo nem vontade de aproveitá-los? Para que pertencer a vários clubes, entidades e estar em colunas sociais, se tudo isso provavelmente só nos trará inveja e riscos de segurança, além de alertar o governo para o nosso imposto de renda? Para que colecionar coisas que um dia nos serão roubadas, ou que não terão o menor valor para nossos herdeiros, que se não brigarem pelos despojos os encaminharão para leilões e serão vendidos a troco de nada? Para que colecionar livros e ter uma biblioteca imensa se jamais teremos tempo de ler todos eles, pois, se vivermos até os 80 anos, mesmo lendo dois por semana, conseguiremos ler, no máximo, 7 mil exemplares? Por que achar que tudo o que temos é nosso? Tenha a certeza de que tudo somente está emprestado por um curto período de tempo. Só temos o direito de uso e nada mais.

Diz um ditado que Deus dá dinheiro para alguns para castigá-los. Não estou fazendo apologia à pobreza, mas somente alertando alguns poucos bem-sucedidos e sonhadores que acham que o dinheiro é a solução de todos os seus problemas. A meu ver dinheiro é bom, em primeiro lugar, para dar independência; em segundo lugar para permitir, já que a sobrevivência deixa de ser prioridade, o crescimento intelectual e o conhecimento da realidade; e, em terceiro lugar, pela possibilidade de se exercer a mais feliz, dependente e viciante atividade que vem a ser a caridade e a responsabilidade perante a natureza e o mundo que deve ser legado à raça humana.

Dinheiro seria, de fato, muito importante só se pudesse comprar a eterna juventude e seus sonhos, bem como a saúde, paz, harmonia, justiça, amor, respeito e amizade - fatores que realmente importam e que dinheiro algum consegue comprar.

_________________




*Advogada do escritório Sylvia Romano Consultores Associados










______________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Aline Cristina Braghini

Aline Cristina Braghini

Migalheira desde 2010

Lilian Castelani

Lilian Castelani

Migalheira desde 2020

Marcella Apocalypse

Marcella Apocalypse

Migalheira desde 2020

Pierre Moreau

Pierre Moreau

Migalheiro desde 2007

Julio Cesar Brotto

Julio Cesar Brotto

Migalheiro desde 2019

Gláucia Mara Coelho

Gláucia Mara Coelho

Migalheira desde 2014

René Ariel Dotti

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006