quarta-feira, 23 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

E tudo continua igual

Os fatos continuam acontecendo sempre iguais. A corrupção continua à solta, vide os resultados das CPIs. Quem pode rouba, manda e desmanda cada vez mais - você sabe de mim e eu sei de você, então é melhor se calar.


E tudo continua igual

Sylvia Romano*

Os fatos continuam acontecendo sempre iguais. A corrupção continua à solta, vide os resultados das CPIs. Quem pode rouba, manda e desmanda cada vez mais - você sabe de mim e eu sei de você, então é melhor se calar. O preconceito sempre aparece mesmo sendo politicamente incorreto - veja o caso dos militares que assumiram sua homossexualidade e hoje um deles está na cadeia. Imaginem vocês que isto não exista no exército, na marinha e, principalmente, na aviação, na política e nos esportes. Enquanto isso, a violência, segundo a maioria que decide e fala sobre o tema, foi resumida a um problema meramente social.

As eleições vêm aí e passam a ser o único interesse de quem quer continuar mandando e se locupletando às custas das "burras do Estado" (como se dizia antigamente). Os falsos representantes de Deus permanecem vendendo o "paraíso" pós-mortem, sem direito a nenhuma reclamação dos consumidores de seus produtos. Não vou nem citar a questão da saúde, educação, ecologia e do desemprego. A inflação está sob controle e só existe para quem precisa se preocupar em como comprar comida. Os aposentados vão bem, obrigado, basta morrer cedo para não caírem na mendicância total.

Os esportes, principalmente o futebol, também vai muito bem. Percebam a alegria dos torcedores quando os seus times vencem e se tornam o ópio do povo. As artes estão cada vez mais criativas e elevadas, temos atualmente a "mulher melancia", os novos conjuntos musicais de "Funk", os grandes pintores marqueteiros e, despontando na literatura, Paulo Coelho. Na TV, quem dá ibope é o "Big Brother" e as entrevistas cada vez mais criativas de "Lucianas" e outras luminares da inteligência brasileira. Os produtivos bancos, com grande orgulho e alegria, continuam divulgando os seus maravilhosos resultados financeiros, que batem recordes ano a ano. Já os jornais e as revistas, por sua vez, têm as tiragens diminuídas a cada edição. Livros então nem se fala, a população dobra e o número de exemplares vendidos fica cada vez menor. Pensando na população, a Santa Madre Igreja, como sempre, incentivando o nascimento de novos miseráveis e protegendo os pobrezinhos dos embriões - a ciência e a pesquisa que permaneçam como estão. Quanto à questão dos índios, que fiquem como bichos no grande zoológico que representa hoje cerca de 13% do território nacional

E tudo continua igual, menos o nosso tempo de vida, que fica menor a cada instante, bem como as nossas esperanças de um futuro melhor, os nossos desejos, a necessidade de nos sentirmos seguros, respeitados, cidadãos e, principalmente, a felicidade que um dia esperávamos encontrar - felicidade esta que só existiu no momento em que sonhávamos, em vão, que ela um dia iria acontecer.

_________________




*Advogada do escritório Sylvia Romano Consultores Associados










______________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Nelson Eizirik

Nelson Eizirik

Migalheiro desde 2008

Almir Pazzianotto Pinto

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Marcos Augusto Perez

Marcos Augusto Perez

Migalheiro desde 2002

Roberto Podval

Roberto Podval

Migalheiro desde 2013

Renata Barbosa Fontes

Renata Barbosa Fontes

Migalheira desde 2017

Renato Cezar Corrêa

Renato Cezar Corrêa

Migalheiro desde 2003

Roberto Armelin

Roberto Armelin

Migalheiro desde 2002