sexta-feira, 18 de setembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Critérios para adoção do regime de tempo parcial

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em seu artigo 58-A e parágrafos, defini os critérios para a implantação do regime de tempo parcial, modalidade que permite a redução da carga horária para os contratos de trabalho já em vigor e para novos contratos de trabalho, norma esta instituída com o objetivo de evitar demissões de empregados, mediante a redução da jornada e da respectiva remuneração.


Critérios para adoção do regime de tempo parcial

Julio Cesar de Almeida*

A Consolidação das Leis do Trabalho (clique aqui), em seu artigo 58-A e parágrafos, defini os critérios para a implantação do regime de tempo parcial, modalidade que permite a redução da carga horária para os contratos de trabalho já em vigor e para novos contratos de trabalho, norma esta instituída com o objetivo de evitar demissões de empregados, mediante a redução da jornada e da respectiva remuneração.

Com a possibilidade da redução da jornada, também há possibilidade do trabalhador de utilizar a redução da jornada para a sua qualificação profissional, participando de cursos de especialização e aperfeiçoamento, bem como, por exemplo, a contratação de jovens, com base no Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego para os Jovens - PNPE.

Visando a implantação do regime de tempo parcial, temos que:

 A jornada não poderá ser superior a vinte e cinco horas semanais;

 O salário será proporcional à sua jornada, tendo como base o salário de empregado na mesma função e em tempo integral e,

 Não poderá haver a realização de horas extras (parágrafo 4º, do artigo 59, da CLT).

Para os empregados que prestam serviços em jornada integral (8 horas diárias e/ou 44 horas semanais) e desejam prestar serviços em regime de tempo parcial, deverá manifestar tal intenção por escrito para a empresa, com a devida participação da entidade sindical.

O regime de tempo parcial não retira os demais direitos e obrigações que norteiam as relações trabalhistas, salvo com relação às férias que, conforme artigo 130-A da CLT, o período de descanso será de:

 18 dias para jornada semanal superior a vinte e duas horas;

 16 dias para jornada semanal entre vinte e vinte e duas horas;

 14 dias para jornada semanal entre quinze e vinte horas;

 12 dias para jornada semanal entre dez e quinze horas;

 10 dias para jornada semanal entre cinco e dez horas e,

 8 dias para jornada semanal igual ou inferior a cinco horas.

Assim como o contrato de trabalho por tempo integral, o número de faltas pode acarretar a perda ou diminuição do período de férias, sendo que, no caso do tempo de regime parcial, havendo mais de sete faltas injustificadas, o trabalhador terá seu período de férias reduzido à metade.

Outro diferencial encontra-se quanto à impossibilidade de parcelamento das férias em 2 períodos e a conversão de uma parte das férias em abono pecuniário.

À vista do exposto pode-se concluir que o regime de tempo parcial é mais uma possibilidade jurídica de flexibilização da jornada de trabalho, cabendo as partes a observância dos requisitos legais, visando evitar eventuais litígios trabalhistas.

________________

*Advogado do escritório Miguel Neto Advogados Associados







 

______________

Atualizado em: 1/1/1900 12:00

Compartilhar

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Filipe Rodrigues Costa

Filipe Rodrigues Costa

Migalheiro desde 2018

Eduardo Lemos Barbosa

Eduardo Lemos Barbosa

Migalheiro desde 2010

Gustavo Tepedino

Gustavo Tepedino

Migalheiro desde 2020

Milena Donato Oliva

Milena Donato Oliva

Migalheira desde 2020

André Kageyama

André Kageyama

Migalheiro desde 2018

Carolina Petrarca

Carolina Petrarca

Migalheira desde 2016

Gerivaldo Alves Neiva

Gerivaldo Alves Neiva

Migalheiro desde 2008