segunda-feira, 29 de novembro de 2021

MIGALHAS DE PESO

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. De Peso >
  3. Tem carro, paga seguro, então não beba!

Tem carro, paga seguro, então não beba!

No Brasil, ao entrar em vigor uma lei que cause insatisfação social ou pelo menos um questionamento público sobre as vantagens e desvantagens, a mídia esgota todos os meios possíveis para que a população faça seu pré-julgamento social.

terça-feira, 7 de outubro de 2008


Tem carro, paga seguro, então não beba!

Alexandre Bittencourt Amui de Oliveira*

No Brasil, ao entrar em vigor uma lei que cause insatisfação social ou pelo menos um questionamento público sobre as vantagens e desvantagens, a mídia esgota todos os meios possíveis para que a população faça seu pré-julgamento social.

Em junho de 2008 entrou em vigor a tão comentada e questionada Lei nº 11.705/08 (clique aqui), ou como ficou intitulada "lei seca"; Os artigos 165, 276 e 306 tiveram as principais mudanças no Código de Trânsito Brasileiro (clique aqui), em que o condutor flagrado com teor alcoólico de 6 (seis) decigramas por litro de sangue, será autuado por infração gravíssima, sujeito a multa e suspensão do direito de dirigir por até doze meses, além da retenção do veículo.

O fator principal para a criação desta lei era o vertente crescimento no número de acidentes e mortos no trânsito. No entanto, além dos envolvidos, os principais prejudicados eram as Seguradoras de Veículos, pois mesmo o condutor não cumprido o contrato e conduzindo o automóvel com cautela, aquelas eram obrigadas a ressarcir os danos materiais sofridos pelo Segurado e inclusive contra terceiros, dependendo do modo de contratação.

O entendimento do STJ era de que o juiz singular deveria analisar caso a caso e julgar se o álcool era causa determinante para a existência do acidente.

As Seguradoras neste ínterim estavam sempre submetidas a pagar os prêmios de seguro para aqueles que dirigiam embriagados e com imprudência, o que gerava grande prejuízo e incessantes guerras judiciais e como agravante a sociedade se via a mercê de motoristas que concretamente levavam riscos aos que obedecem rigorosamente as leis.

Para total satisfação das Seguradoras e para uma melhor tranqüilidade no trânsito, o STJ mudou o entendimento, acompanhando decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo e considerou que o Segurado deve perder o prêmio do seguro se durante o sinistro conduzia o veículo embriagado.

A pessoa que dirigir sob a influência de álcool além de cometer infração gravíssima, perder a habilitação, caso ocorra acidente, ainda vai ter de arcar com todos os danos materiais sofridos, pois por sua única e exclusiva culpa descumpriu as regras contratuais e da legislação de trânsito.

O artigo 422 e 768 do Código Civil (clique aqui), respectivamente, assim intitulam: "Os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato, como em sua execução, dos princípios de probidade e boa-fé" e "O Segurado perderá o direito à garantia se agravar intencionalmente o risco objeto do contrato". Assim estando o Segurado, condutor do veículo, consciente da sua culpa e perturbando a ordem pública e cometendo ato ilícito deverá arcar com os prejuízos por si assumidos.

Dessa forma, o direito positivo passa a ser atendido na sua forma contratual, pois Segurado e Seguradora estão obrigados a respeitar o contrato com inquestionável veracidade e na mais estreita boa-fé. Em regra, as Seguradoras não são obrigadas a assumir os riscos de fatos e situações que agravam o sinistro, quando o Segurado não cumpre com o dever de lealdade e dirige embriagado, descumprindo a lei e desrespeitando um contrato anteriormente firmado.

_________________

*Advogado do escritório Renaldo Limiro Advogados Associados S/S





____________

Atualizado em: 6/10/2008 13:19

Alexandre Bittencourt Amui de Oliveira

Alexandre Bittencourt Amui de Oliveira