quarta-feira, 29 de junho de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Mantida anulação de provas de concurso do TRF da 3ª região
CNJ

Mantida anulação de provas de concurso do TRF da 3ª região

Resultados dos novos exames já foram divulgados.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Por maioria dos votos, o plenário do CNJ manteve, nesta terça-feira, 11, durante a 161ª Sessão Ordinária, decisão do TRF da 3ª região de anular as provas de sentenças cíveis e criminais que foram realizadas em março dentro do "16º Concurso Público Para Provimento de Cargos de Juiz Federal Substituto". O colegiado decidiu também encaminhar o caso à Corregedoria Nacional de Justiça para apuração do possível envolvimento de magistrados em irregularidades no certame.

A decisão do CNJ foi tomada na análise de procedimento administrativo relatado pelo conselheiro Sílvio Luís da Rocha. A matéria tem como requerente Rodrigo Celestino Pinheiro Menezes, contrário à anulação das provas.

Ao apresentar o seu voto, o relator considerou procedente o pedido do requente, alegando não haver motivos que justifiquem a anulação das provas. Em seguida, o conselheiro Gilberto Valente Martins abriu divergência, apontando indícios de que houve irregularidades no certame. Martins foi seguido pelos demais conselheiros, e o placar final de votação ficou em 12 a 1. Não participaram da sessão o corregedor nacional de Justiça, ministro Francisco Falcão, e o conselheiro Bruno Dantas.

O caso em questão se refere às provas de sentenças cíveis e criminais realizadas nos dias 17 e 18 de março deste ano. Após os exames, o presidente do TRF da 3ª região, desembargador Newton De Lucca, pediu a renúncia dos desembargadores que integravam a banca examinadora do concurso. A nova banca que assumiu o certame, por sua vez, determinou a anulação das provas de março e realizou novos exames nos dias 10 e 11/11.

Segundo o conselheiro Gilberto Martins, que inaugurou a divergência, o fato de o presidente do TRF ter pedido a renúncia da banca examinadora anterior já levanta a possibilidade de ter havido irregularidades no concurso. Martins destacou também que a suspeita se reforça com o fato de as provas de março terem permanecido por um longo período no gabinete do então presidente da banca, sendo depois encaminhadas à presidência do Tribunal sem os lacres dos envelopes e com a correção incompleta. Além disso, frisou o conselheiro, as provas não continham os vistos dos fiscais.

"A banca examinadora, com a finalidade de garantir a impessoalidade na realização do concurso, pode, sim, em caráter cautelar, suspender as provas", afirmou Gilberto Martins. Durante a sessão, o próprio Presidente do TRF da 3ª região, desembargador Newton De Lucca, fez a sustentação oral da tribuna para defender a decisão da nova banca examinadora de cancelar as provas realizadas no mês de março. É a primeira vez que um presidente de TR adota esse procedimento em sessão plenária do CNJ.

  • PCA: 0006024-54.2012.2.00.0000

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 11/12/2012 15:35

Patrocínio