quarta-feira, 25 de maio de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Defesa de José Dirceu quer afastar lei com pena mais grave para corrupção
AP 470

Defesa de José Dirceu quer afastar lei com pena mais grave para corrupção

Documento faz referência ao debate estabelecido na última sessão plenária da Corte.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Os advogados José Luis Oliveira Lima, Rodrigo Dall'Acqua e Ana Carolina Piovesana (Oliveira Lima, Hungria, Dall'Acqua & Furrier Advogados), responsáveis pela defesa de José Dirceu, requerem em memorial o afastamento da incidência da lei 10.763/03, que estabeleceu penas mais graves para o crime de corrupção.

O documento foi protocolado no STF nesta segunda-feira, 19, e faz referência ao debate estabelecido na última sessão plenária da Corte. Os ministros Joaquim Barbosa e Lewandowski discordaram acerca da questão ao analisar os embargos de Bispo Rodrigues.

No caso, o ministro JB rejeitou o recurso do ex-deputado. Lewandowski afirmou discordar da pena aplicada ao réu pelo crime de corrupção passiva, afirmando que a propina foi recebida antes da vigência da lei 10.763/03. Para Lewandowski, a pena por este delito deveria ter sido fixada levando-se em conta redação do art. 317 do CP.

Aspecto temporal

Os advogados argumentam, citando o acórdão que recebeu a denúncia do mensalão e o acórdão que condenou os réus, que o oferecimento de vantagem indevida dirigido a todos os funcionários públicos denunciados ocorreu já nas votações de agosto e setembro de 2003. De acordo com a condenação, José Dirceu teria se encontrado com os parlamentares na época da votação da reformas previdenciária e tributária, "antes, portanto, da promulgação da lei nº 10.673, de 12 de novembro de 2003. Não há dúvidas quanto ao aspecto temporal", consta no memorial.

Outro fato levantado pela defesa de Dirceu é que o acórdão condenatório traz que não houve acordo eleitoral entre o PT e PTB para as eleições municipais de 2004. "Prevaleceu o entendimento de que os repasses foram acertados nas reuniões ocorridas na Casa Civil e quitados como retribuição ao apoio político prestado nas votações das reformas. Tudo no ano de 2003", diz a defesa.

Ao final, concluem os advogados pedindo o acolhimento dos embargos de declaração de José Dirceu. O STF volta a analisar os recursos na sessão plenária desta quarta-feira, 21.

  • Processo Relacionado : AP 470

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 20/8/2013 10:33