domingo, 11 de abril de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Decisão

Suicídio não impede execução de apólice de seguro de vida

Inexistem elementos que comprovem a efetiva possibilidade de grave dano de difícil ou incerta reparação advindo do eventual prosseguimento da execução.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Suicídio não é requisito autorizador para suspender execução de apólice de seguro de vida. Decisão monocrática é do desembargador Luiz Eduardo de Sousa, do TJ/GO, que afastou efeito suspensivo do feito.

No caso em questão, a mãe de um jovem ajuizou ação para receber valor total de uma apólice de seguro de vida, no nome de seu filho, menor de idade. A seguradora, por sua vez, alegou que o fato da morte ser resultado de prática de suicídio no período de carência a isenta do pagamento da respectiva apólice.

O juízo de 1ª instância considerou procedente o argumento apresentado pela empresa, por entender que o prosseguimento da execução poderia acarretar grande prejuízo à seguradora e concedeu efeito suspensivo à execução. A autora recorreu da decisão.

Ao analisar a matéria, o desembargador Luiz Eduardo afirmou que "inexistem elementos que comprovem a efetiva possibilidade de grave dano de difícil ou incerta reparação advindo do eventual prosseguimento da execução". Para o magistrado, os fundamentos apresentados pela seguradora não ensejam a concessão do efeito suspensivo à ação de execução do título.

"A situação em exame reclama a modificação da decisão objurgada para o fim de admitir o normal prosseguimento do feito, porquanto o embargante, ora agravado, não demostrou de forma inequívoca a presença dos requisitos autorizadores para a atribuição de efeito suspensivo à execução."

  • Processo: 37765-91.2014.8.09.0000

Confira a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 3/6/2014 08:39

LEIA MAIS