Migalhas

Sexta-feira, 3 de abril de 2020

ISSN 1983-392X

Literatura

Resultado do sorteio dos clássicos de ficção

Migalhas deseja aos advogados boa dose de literatura!

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Se ler é um dos mais prazerosos passatempos, para o profissional do Direito ele tem um significado especial: enquanto se distrai com a ficção, o advogado está desenvolvendo competências e habilidades para o exercício da profissão.

Ao lermos um romance, ensina a historiadora da cultura Lynn Hunt, estamos ampliando nossa capacidade de colocarmo-nos no lugar do outro, de nos tornarmos sensíveis a suas dores e dramas. Em seu vigoroso trabalho A invenção dos direitos humanos, a autora sustenta que a ideia de igualdade entre todos só se tornou universal a partir da disseminação do hábito burguês de ler romances: "Ao ler, eles (os leitores) sentiam empatia além de fronteiras sociais tradicionais entre os nobres e os plebeus, os senhores e os criados, os homens e as mulheres" (...)"passavam a ver os outros – indivíduos que não conheciam pessoalmente –como seus semelhantes, tendo o mesmo tipo de emoções internas".

Na mesma senda segue o grande escritor peruano Mario Vargas Llosa, prêmio Nobel de Literatura em 2010, para quem muito além de entretenimento e até mesmo de engrandecimento dos espíritos individuais, a literatura tornou-se "(...) atividade insubstituível para a formação do cidadão numa sociedade moderna e democrática, de homens livres", verdadeiro motor de mudança da história e fiadora da liberdade humana. Tudo isso porque, explica, "(...) toda a boa literatura é um questionamento radical do mundo em que vivemos".

Para o advogado o hábito da leitura de ficção permite, ainda, o burilamento do próprio instrumento de trabalho. Ler ficção continuamente é conhecer novos modos de expressão, é ampliar os códigos comunicativos, exercitar a criatividade. É, enfim, possibilidade real de transpor com mais facilidade a folha em branco em direção ao juiz, em nome dos direitos a serem defendidos.

Imbuído desse espírito, Migalhas preparou algumas dicas de leitura de ficção em comemoração à semana do advogado. Prepare-se, querido leitor. Ao final sortearemos um exemplar de cada uma das obras indicadas.

O sonho do celta – Mario Vargas Llosa (Editora Alfaguara). Nesse envolvente romance o autor narra a história verídica do cônsul britânico Roger Casement, que tendo servido a Coroa no Congo Belga e na região do Putumayo, Peru, envolveu-se em atos pela libertação da Irlanda e terminou preso no Reino Unido.

Nascido em Dublin em 1864, Casement teve uma vida de filme. Viajou muito, tornou-se mundialmente famoso pelas causas que abraçou. Lançou-se em África ainda jovem, por espírito aventureiro e amor à natureza, estarrecendo-se desde sua primeira viagem rio Congo acima, até sua última incursão pela Amazônia, com a barbárie da colonização.

Além de narrar os esforços de Casement para denunciar os maus-tratos impingidos aos nativos africanos e aos índios do putumayo por toda a Europa, o trabalho de Vargas Llosa dedica-se a um delicado e pungente quadro, o retrato da solidão de um prisioneiro a quem só restou um carcereiro hostil, uma amiga persistente e um capelão dedicado.

O inocente – Scott Turow (Record) Nesse autêntico romance de tribunal, o consagrado escritor norte-americano conta a história de um magistrado acusado de matar a própria esposa. Em um intrincado caso em que o filho do casal e sua namorada também estão envolvidos, um célebre promotor de justiça com quem o juiz tinha uma antiga rixa será o responsável por levar o caso a julgamento.

Grande leitor de Dickens na adolescência, confessadamente uma de suas grandes influências, o ponto alto das frenéticas histórias narradas por Turow, promotor público em Chicago/EUA, é exatamente prender o leitor como os antigos narradores das peripécias de um herói: muitos feitos, muitas reviravoltas, um grande final. Graduado em Direito pela conceituadíssima Harvard School, com vários anos de prática jurídica, Scott Turow credita à sua experiência no júri o sucesso de sua carreira como escritor. Para o autor, foi a preocupação com a adoção de uma linguagem descomplicada que alcançasse os jurados a grande porta para o sucesso de sua escrita.

Dois irmãos – Milton Hatoum (Companhia das Letras). Nesse tormentoso romance familiar, o escritor amazonense conta a história de Yaqub e Omar, os gêmeos em tudo diferentes, na melhor tradição dos bíblicos Caim e Abel, dos machadianos Esaú e Jacó. E por falar em Machado, a inspiração aqui é confessa, e faz-se mérito na escrita do autor, grande conhecedor e admirador da prosa brasileira.

Arquiteto de formação, Hatoum conta em conversas com seus leitores que quis escrever para retomar o deslumbramento sentido muitos anos antes, ainda no colégio, quando do primeiro contato com Vidas Secas, de Graciliano: palavras servindo à caracterização de um drama humano e paisagístico, tudo fundido em uma forma da qual desprendia a secura do ambiente, que por sua vez apenas refletia a secura daquelas vidas. Assim são os romances de Hatoum, assim ocorre com o leitor de Dois irmãos: sente na pele o calor úmido de Manaus, incomoda-se com o desconcerto agitado de seus protagonistas, que parecem deixar a força da natureza reger suas próprias vidas.

__________

Ganhador :

Marcus Vinicius Almeida Ramos, assessor juridico da Anima Educação, de BH


__________

informativo de hoje

patrocínio

Advertisement

últimas quentes

-