sábado, 28 de maio de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Hospitais filantrópicos com TV nos quartos devem pagar direitos autorais ao Ecad
Direitos autorais

Hospitais filantrópicos com TV nos quartos devem pagar direitos autorais ao Ecad

3ª turma do STJ seguiu voto-vista do ministro Villas Bôas Cueva, para quem é irrelevante o fato de o local não ter propósito lucrativo.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Hospitais e clínicas, mesmo os filantrópicos, que mantêm aparelhos de TV em suas dependências devem pagar direitos autorais ao Ecad, órgão responsável pela arrecadação e distribuição dos valores. Decisão é da 3ª turma do STJ, que seguiu voto-vista do ministro Villas Bôas Cueva, para quem é irrelevante o fato de o local de frequência coletiva ter propósito lucrativo.

Isenção da cobrança

A ação declaratória contra o Ecad foi proposta em 2010 pela a Associação da Santa Casa de Misericórdia de Serra Negra/SP. A instituição buscava a desobrigação do pagamento de direitos autorais decorrentes da instalação de aparelhos de televisão nos quartos de seu hospital. Alegou que sua natureza filantrópica a isentaria da cobrança.

O pedido foi acolhido em 1º e 2ª graus pela Justiça paulista, o que motivou o recurso ao STJ. O Ecad alegou que a simples execução pública de obras musicais e audiovisuais em locais de frequência coletiva, como restaurantes, hotéis, hospitais e clínicas, dá ensejo à cobrança de direitos autorais, conforme a jurisprudência do STJ. Sustentou que não importa, para reconhecimento da obrigação, o fato de a instituição ter ou não fins lucrativos.

Voto-vista

O relator do recurso, ministro Paulo de Tarso Sanseverino, negou o recurso do Ecad e foi acompanhado pelo ministro Moura Ribeiro. No entanto, prevaleceu a tese apresentada em voto-vista pelo ministro Villas Bôas Cueva. Segundo ele, o STJ decidiu em diversas oportunidades que a simples disponibilização de aparelhos de rádio e TV em quartos de hotéis, motéis, clínicas e hospitais autoriza a cobrança, de forma que é completamente irrelevante o fato do local de frequência coletiva ter propósito lucrativo.

"A norma legal é clara ao proibir a utilização não autorizada, e não isenta da obrigação de remunerar os titulares dos direitos autorais nem mesmo instituições que apresentem natureza filantrópica."

Esse entendimento foi acompanhado pelos ministros Marco Aurélio Bellizze e João Otávio de Noronha.

Confira a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 17/9/2015 09:09