sexta-feira, 17 de setembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Ministro Teori homologa delação premiada de Delcídio
Lava Jato

Ministro Teori homologa delação premiada de Delcídio

Senador foi preso em novembro em mais uma fase da Lava Jato, tendo saído em fevereiro.

terça-feira, 15 de março de 2016

O ministro Teori Zavascki homologou nesta terça-feira, 15, a delação premiada firmada entre o senador Delcídio do Amaral e a PGR para colaborar com as investigações da operação Lava Jato.

Várias partes da delação foram reveladas nas últimas semanas pela revista "IstoÉ", envolvendo o ex-presidente Lula, a presidente Dilma, além de políticos do PMDB e ex-ministros de governo.

Ao homologar a colaboração, Teori ressaltou que "o colaborador já teve sua identidade exposta publicamente e o desinteresse manifestado pelo órgão acusador revela não mais subsistir razões a impor o regime restritivo de publicidade".

O começo de tudo

O envolvimento de Delcídio do Amaral com a Lava Jato teve início no fim de novembro: em mais uma operação, a PF prendeu preventivamente o senador, que se encontrava no hotel Golden Tulip, em Brasília. Na mesma leva foram presos o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, o chefe de gabinete de Delcídio (Diogo Ferreira) e o advogado de Nestor Cerveró, Edson Siqueira Ribeiro Filho.

A prova da tentativa de obstrução do senador seria uma gravação feita pelo filho de Cerveró que mostra a tentativa de Delcídio em atrapalhar as investigações e oferecer fuga para o ex-diretor não fazer a delação.

Ato contínuo, o STF decidiu de forma unânime referendar a prisão do senador da República. O julgamento foi um dos mais representativos da Lava Jato, com discursos enérgicos dos ministros que integram a 2ª turma do Supremo. Logo depois, foi a vez do Senado manter a prisão.

Delação premiada

O acordo de Delcídio é acompanhado de 21 termos de colaborações, e foi firmado, conforme a petição da PGR, "com a finalidade de obtenção de elementos de provas para o desvelamento dos agentes e partícipes responsáveis, estrutura hierárquica, divisão de tarefas e crimes praticados pela organização criminosa, no âmbito do Palácio do Planalto, do Senado Federal, da Câmara dos Deputados, do Ministério de Minas e Energia e da companhia Petróleo Brasileiro S/A".

A delação do senador, assinada pelo procurador-Geral da República Rodrigo Janot, é composta por 43 cláusulas. Entre elas, Delcídio disponibiliza um imóvel em Campo Grande/MS em garantia ao pagamento da multa de R$ 1,5 mi imposta no acordo de colaboração.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 15/3/2016 10:56