terça-feira, 25 de janeiro de 2022

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Canal de TV não é responsável por propaganda irregular de medicamento
Propaganda

Canal de TV não é responsável por propaganda irregular de medicamento

A decisão é do TRF da 5ª região.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Canal de TV não deve ser responsabilizado por veicular propagandas irregulares. Esse foi o entendimento do TRF da 5ª região ao acolher a apelação de uma emissora que foi multada por exibir propaganda de um medicamento sem registro da Anvisa.

A Anvisa aplicou uma multa a uma emissora de televisão argumentando que a conduta da empresa de comunicação infringiu o art. 10, inciso V, da lei 6.437/77, que veda a prática de "fazer propaganda de produtos sob vigilância sanitária, alimentos e outros", contrariando a legislação sanitária. O canal de televisão apelou negando sua responsabilidade.

Na turma, os desembargadores Federais anularam a multa imposta pela Anvisa, entendendo, por maioria, que embora seja indiscutível que o auto de infração descreveu conduta transgressora à legislação, a responsabilidade pelo ilícito é do anunciante, e não do veículo de comunicação. Sendo assim, o dispositivo legal não se refere ao veículo em que a propaganda é feita, e sim ao anunciante.

Para o desembargador Federal Paulo Roberto de Oliveira Lima, relator do recurso, a punição à emissora é desarrazoada e injusta. "Quer dizer que, no entendimento da Anvisa, um canal de televisão, que faz propaganda durante vinte e quatro horas, todos os dias, é corresponsável por toda propaganda que veicula? Seria impossível atribuir-se a um jornal, a uma revista, a um canal de televisão fazer essa aferição, essa fiscalização."

Para o magistrado, o canal de televisão poderia ser responsabilizado caso fosse demonstrado que a ilegalidade da propaganda era evidente e manifesta. "Fazer uma propaganda que pregue o racismo ou a violência contra a mulher, por exemplo, é completamente diferente de se fazer uma propaganda de um brinquedo e, posteriormente, ser constatado que o mesmo não passou pelo Inmetro. Não havendo, no caso, culpa alguma do veículo de comunicação, não há como manter a multa".

  • Processo: 0801693-66.2014.4.05.8100

Fonte: TRF5

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 21/8/2017 08:39