terça-feira, 30 de novembro de 2021

MIGALHAS QUENTES

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

  1. Home >
  2. Quentes >
  3. Banco Mercantil é proibido de renovar empréstimos consignados com aposentados e pensionistas do INSS
CDC

Banco Mercantil é proibido de renovar empréstimos consignados com aposentados e pensionistas do INSS

A instituição renovava contratos nos caixas eletrônicos sem o consentimento dos clientes.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

O juiz de Direito Ricardo Torres Oliveira, da 7ª vara Cível da comarca de Belo Horizonte/MG, deferiu liminar proibindo o Banco Mercantil do Brasil de fazer renovações de contratos de empréstimo consignado para os aposentados e pensionistas do INSS, via caixa eletrônico ou com auxílios dos profissionais do banco identificados pelo uniforme "Posso Ajudar".

A decisão se deu em ação civil coletiva ajuizada pelo Instituto de Defesa Coletiva, Procon/BH e Defensoria Pública de Minas Gerais. Na decisão, eles apontaram que os funcionários do banco, munidos de cartão e senha dos clientes, realizavam contratações e renovações de empréstimos sem autorização dos consumidores de forma a liquidar um contrato de empréstimo anteriormente realizado, liberando um valor remanescente em favor do cliente e aumentando o saldo devedor.

De acordo com laudo do MP, as pessoas humildes e com pouca capacidade de leitura eram as mais atingidas. Cerca mil reclamações contra a prática abusiva foram realizadas no Sindec.

O magistrado determinou que a renovação dos contratos de crédito consignado sejam realizadas apenas quando solicitadas e somente ao gerente da respectiva conta. Caso o Banco Mercantil do Brasil descumpra a liminar, será penalizado com multa diária de R$ 10 mil, limitada a R$ 1 milhão.

Para a presidente do Instituto de Defesa Coletiva, Lillian Salgado, a instituição financeira viola os princípios da autonomia da vontade, informação, boa-fé e lealdade ao praticar renegociação dos contratos de empréstimo sem autorização consciente dos consumidores.

"O objetivo da instituição financeira é muito claro: vincular os consumidores de forma definitiva para que o contrato de empréstimo não tenha fim, levando os consumidores, por consequência, ao super endividamento", informa Lillian.

  • Processo: 5085017-14.2017.8.13.0024

Confira a íntegra da decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 5/9/2017 10:45